Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Léxico: «custodiante»

E também há «custódio»

 

      «A instituição liderada por António Ramalho vai contestar a decisão junto do Tribunal da Relação de Lisboa por alegar que não tem qualquer responsabilidade na matéria. “A atuação do banco é apenas de mero custodiante, pelo que é totalmente alheio” à extinção dos títulos por não ser nem emitente da obrigação nem credor, defende fonte oficial do Novo Banco» («Juiz Carlos Alexandre “estupefacto” com desaparecimento de 60 milhões de euros do arresto do caso BES/GES», Luís Rosa, Observador, 29.12.2019, 23h35).

 

[Texto 12 569]

Léxico: «transceptor»

Uma reunião...

 

      «O esquiador foi encontrado debaixo de um metro de neve, cerca de duas horas depois do [sic] alerta ter sido dado. A equipa de resgaste conseguiu detetar o seu paradeiro com recurso a um transcetor eletrónico que a vítima estava a utilizar» («“Milagre de Natal” na Áustria. Jovem apanhado por avalanche foi resgatado ao fim de cinco horas», Rádio Renascença, 27.12.2019, 14h47).

      Segundo o dicionário da Porto Editora, um transceptor é a «reunião de um emissor e de um receptor no mesmo móvel». A reunião... Quer então dizer que são dois aparelhos que se encontraram... Aposto que conseguem encontrar meia dúzia de formas de o dizer mais claramente.

 

[Texto 12 568]

Léxico: «poda»

Diga isso também aos dicionaristas

 

      «Aberrantes são ainda as mutilações a que são submetidas as árvores em espaço urbano. Chamam-lhes podas. Todavia, as podas só se justificam em modelos produtivos, na produção de frutos ou de cortiça, ou por motivos fitossanitários, no decurso de avaliação técnica. As ditas podas por motivos estéticos são uma aberração humana. Não há melhor estética do que a produzida pela natureza» («Temos demasiados autarcas dendroclastas», Paulo Pimenta de Castro, engenheiro silvicultor, Público, 24.12.2019, p. 9). É um verdadeiro atentado aquilo que se vê em quase todas as localidades. Poda... Também nos dicionários tentam adivinhar, mas mal. Lê-se no dicionário da Porto Editora: «cortar a rama inútil de (árvores, vinhas, etc.)». E pronto, qualquer bicho-careta fica habilitado a mutilar árvores.

 

 [Texto 12 566] 

Léxico: «Sol»

E a distância?

 

      Sol no dicionário da Porto Editora, com um ligeiro e útil acrescento: «[com maiúscula] ASTRONOMIA estrela que é o centro do nosso sistema planetário, a 150 milhões de quilómetros da Terra, constituída por núcleo central, fotosfera, camada inversora, coroa solar e camada que emite luz zodiacal».

 

[Texto 12 565]

Léxico: «baleia-boreal | baleia-de-bryde»

Em três, uma

 

      «Os três tipos de baleias que serão capturadas pelo Japão (baleia-anã, baleia-boreal e baleia-de-bryde) constam do Anexo I deste tratado, numa lista de espécies, cujo comércio internacional está proibido, porque “estão ameaçadas de extinção”» («O regresso da caça à baleia», Hirobumi Ohinata et al. Tradução de Maria Alves. Courrier Internacional, Setembro de 2019, p. 22).

      Falta então registares, Porto Editora, baleia-boreal (Balaenoptera borealis) e baleia-de-bryde (Balaenoptera brydei), o que significa que já tivemos melhores balanços.

 

[Texto 12 564]

Léxico: «bruma»

O mundo avança

 

      Esta bruma ainda não chegou aos nossos dicionários: «Esta bruma [Re-Fresh, da My Clarins] não só tem um perfume agradável, como é confortável na pele e é absorvida rapidamente. Além de fixar a maquilhagem, funciona muito bem como primer pois deixa a pele uniforme e protege-a dos agentes poluentes» («Brumas multiusos», Mariana Nave, Saber Viver, Setembro de 2019, p. 66).

      O mundo, ao contrário do que muitos pretendem, não acabou no século XIX. Sim, não começou no século XX, mas sobretudo não terminou no século de Camilo.

 

[Texto 12 563]

Léxico: «dionisino»

Só Baco

 

      «Anos mais tarde, parte do pano da muralha dionisina foi utilizado na construção do novo Palácio da Ribeira de D. Manuel, o que fez com que o que restava desta estrutura fosse bastante danificado» (Segredos de Lisboa, Inês Ribeiro e Raquel Policarpo. Lisboa: Esfera dos Livros, 2015, p. 102).

      No dicionário da Porto Editora, só encontramos dionisíaco. O problema é que é relativo tanto a Baco como a Dom Dinis. Aliás, nunca me vem à mente o nome de Dom Dinis quanto deparo com o adjectivo «dionisíaco».

 

[Texto 12 562]