Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Léxico: «hobbesiano»

Um filósofo esquecido

 

     «A bem dizer, exige-se obediência aos governados para que prevaleça o princípio hobbesiano: os ouvidos dos “súbditos” devem permanecer colados aos lábios do “soberano”. Quer dizer, no léxico dos apóstolos do MPLA esta premissa significa que o príncipe é o espelho da verdade absoluta. Aos cidadãos resta calarem-se e aceitar as versões que os barões do poder lhes ofereçam» («Angola e o 27 de Maio: 42 anos de vergonha e infâmia!», Carlos Pacheco, Público, 8.08.2019, 18h18).

 

[Texto 12 613]

Léxico: «criovulcanismo»

Dois anos depois

 

      «Chamamos criovulcanismo a este vulcanismo de gelos» (Estas Máquinas Chamadas Mundos, E. Ivo Alves. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2010, p. 80).

      Criovulcão foi, por minha sugestão, registado no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora a 17 de Janeiro de 2018. Hoje, mais um passo. Já se sabe que é necessário semear muito para colher alguma coisa. Só dizer mal, como é timbre de alguns fantasmas (vão prò caralho) que por aqui adejam, não é solução.

 

[Texto 12 612]

Léxico: «económetro»

Pois, não serve

 

      Na terça-feira, para ir à redacção do jornal ***, andei num Renault Zoe. Ahn, mais ou menos, assim-assim. Fracote. Vejam o que se lê no portal da Renault: «O económetro, localizado no lado direito do quadro de instrumentos digital de 10'', indica-lhe se está a consumir ou a recuperar energia. Faça a gestão do seu consumo em tempo real para preservar a sua autonomia.» Nos nossos dicionários não encontramos económetro, apenas «iconómetro». Pois, não serve.

 

[Texto 12 611]

Chefe mas pouco

Lições inesperadas

 

      «Insistiu que é preciso “estar alerta” e avisou que é contra a ideia de que “a melhor maneira de fazer política é o silêncio, fingir que as coisas não acontecem, meter a cabeça na areia e deixar que as coisas passem”. “Não. Acho que, quando há sinais como aqueles que foram dados na entrevista de um dos chefes ideológicos e políticos da extrema-direita americana [Steve Bannon] no Expresso todos devemos estar atentos e não levar a brincar estas questões”, afirmou, numa receção onde estava o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, diplomatas e deputados à Assembleia da República» («Três alertas em dois dias. Ferro Rodrigues volta à carga contra populistas: “Temo que algo grave se venha a passar”», Rádio Renascença, 7.01.2020, 21h15, itálico meu).

      Para a maioria dos jornalistas, a palavra inevitável, insubstituível, seria «líder». As lições vêm muitas vezes de onde menos as esperamos.

 

[Texto 12 610]

Léxico: «batimetria»

Vejam isso melhor

 

   «No dia 27 de Dezembro, uma empresa especializada fez o levantamento batimétrico dos pilares da ponte. Segundo Pedro Ribeiro, o aumento dos caudais do Tejo e as fortes correntes verificadas impossibilitaram a realização destes trabalhos numa data anterior» («Inspecção subaquática à Ponte D. Amélia será fundamental para reabrir a estrutura», Jorge Talixa, Público, 7.01.2020, p. 23).

    Acho que uma das empresas convidadas para fazer o levantamento batimétrico foi a Porto Editora, mas parece que declinou o convite: a batimetria, responderam, é a «medida das profundezas do mar», não vamos fazer isso no rio Tejo!

 

[Texto 12 609]

Léxico: «biometano»

Psiu, ainda é segredo

 

      «A expectativa é que “a aposta, já na próxima década, na produção e incorporação de gases renováveis como o hidrogénio e o biometano” promovam “uma substituição dos combustíveis fósseis mais intensa”, que ajude a reduzir a dependência energética do país (Portugal importa quase 80% da energia que consome)» («Governo promete indústria exportadora de hidrogénio verde», Ana Brito, Público, 7.01.2020, p. 27).

      Ainda não chegou aos nossos dicionários. Veremos por quanto mais tempo permanecerá segredo de Estado.

 

[Texto 12 608]

Léxico: «pressão arterial basal»

Isso mesmo

 

      «E, aparentemente, os que mais beneficiam com este desafio são os corredores mais velhos, mais lentos, do sexo masculino, e com pressão arterial basal (a chamada “mínima”) mais alta» («Correr uma maratona para ficar quatro anos mais novo», Andrea Cunha Freitas, Público, 7.01.2020, p. 32).

 

[Texto 12 607]

Autodefesa e legítima defesa

As habituais confusões

 

   «O ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão, Javad Zarif, considerou os bombardeamentos “proporcionais” e em “autodefesa”, tendo as forças armadas daquele país anunciado que a sua unidade de força aérea terá lançado “um bem sucedido ataque à base de Al Asad, atingida por dezenas de mísseis em nome do mártir Soleimani”. Os primeiros mísseis caíram horas depois de o corpo do líder militar do Irão ter regressado à sua terra natal para ser enterrado» («O Irão atacou duas bases militares dos EUA no Iraque», Miguel Cadete, Expresso Curto, 8.01.2020).

      Alguém aí se sente capaz do acto de caridade de elucidar o senhor director-adjunto que autodefesa e legítima defesa são conceitos diferentes?

 

[Texto 12 606]