18
Fev 20

Léxico: «humidificador»

Porque são de extracção mais operária

 

      «Diz-se, na longa mitologia que rodeia a história dos charutos, que John Fitzgerald Kennedy atrasou por um tempo a declaração de embargo a Cuba até que os humidificadores da Casa Branca ficassem recheados de ‘coronas’ H. Upmann, os ‘Eminentes’, o charuto preferido do presidente americano» («H. Upmann: os degraus do paraíso», Francisco José Viegas, «Sexta»/Correio da Manhã, 31.01-6.02.2020, p. 47).

      Para a Porto Editora, humidificador é tão-só o «dispositivo para manter a humidade desejada no interior de um edifício com ar condicionado». E mesmo isto estará certo? Hum, bacoreja-me que não.

 

[Texto 12 836]

Helder Guégués às 09:45 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «prefeitura»

Brasil, França... e o Japão?

 

      «O Japão confirmou, nesta quinta-feira, a primeira morte no país na sequência da infeção pelo novo coronavírus (batizado como Covid-19). A vítima é uma mulher com cerca de 80 anos, moradora na prefeitura de Kanagawa, situada perto de Tóquio» («Japão confirma primeira morte por coronavírus. China altera critérios de contagem», Rádio Renascença, 13.02.2020, 12h50).

      Assim de repente, também me parece que sempre que se fala do Japão é esta designação que se usa para a organização administrativa. A ser assim, pecam os dicionários, que só referem, no verbete prefeitura, o Brasil e a França.

 

[Texto 12 835]

Helder Guégués às 09:30 | comentar | ver comentários (1) | favorito

Onde e aonde

Por S. Ciarão de Clonmacnoise!

 

      A espanhola Acciona Mobilidade mandou-me uma mensagem: «Neste São Solteirim onde quer que vá, desloque-se sem poluir o planeta com as nossas motos.» É a primeira vez que deparo com esta brincadeira com o nome do santo. Não me vou zangar com isso. A frase é que podia estar mais correcta: com verbos de movimento, como é o caso, em vez de onde deve usar-se aonde. Já lembrei isto mais de uma vez, mas os anos vão passando e há leitores que já morreram e outros que nasceram entretanto.

 

[Texto 12 834]

Helder Guégués às 09:15 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «nucleocitoplasmático»

Ah, não se conhece por cá

 

      «Cientistas do Brasil e de França descobriram na cidade brasileira de Belo Horizonte um novo vírus com 90% da sua genética desconhecida, mas que não é prejudicial ao ser humano, explicaram esta quarta-feira fontes académicas. [...] Segundo o estudo, o vírus pode ser o primeiro protozoário parasita “Acanthamoeba spp” (não identificada) isolado do grupo dos vírus nucleocitoplasmáticos de grande ADN [sigla de ácido desoxirribonucleico]» («Vírus misterioso descoberto no Brasil. Cientistas desconhecem 90% dos genes», Lusa/TSF, 12.02.2020, 20h42).

 

[Texto 12 833]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «tartaruga-de-cabeça-grande-do-amazonas»

Muito pesada

 

      «Agora, paleontobiólogos [sic] revelaram novos detalhes da extinta tartaruga, além das conhecidas dimensões da carapaça, com base em fósseis descobertos recentemente não só na Venezuela, mas também na Colômbia. Segundo os especialistas, a tartaruga ‘Stupendemys geographicus’ pesaria 1,1 toneladas, quase 100 vezes mais do que a tartaruga-de-cabeça-grande-do-Amazonas, a espécie mais próxima que pode ser encontrada no Equador, na Colômbia, no Brasil e na Venezuela» («Uma das maiores tartarugas que viveram na Terra tinha carapaça com “chifres”», Rádio Renascença, 12.02.2020, 21h09).

     Se queremos complicar qualquer coisa, chamamos um jornalista. À Porto Editora ainda não chegou a tartaruga-de-cabeça-grande-do-amazonas (Peltocephalus dumerilianu).

 

[Texto 12 832]

Helder Guégués às 08:45 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Várias dimensões

Faltam algumas

 

      Não é útil apenas para ler Flatland, de Edwin Abbott (ah, vejo que está publicado pela Porto Editora), encontro-o também em teses e dissertações: zerodimensional. É que unidimensional, bidimensional, monodimensional, multidimensional, pentadimensional, pluridimensional, tetradimensional e tridimensional já nós conhecemos. Quer dizer, monodimensional é desconhecido da Porto Editora.

 

[Texto 12 831]

Helder Guégués às 08:30 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «aperto»

Nunca levou um

 

      «Arguido diz que só foi à Academia para “dar um aperto” aos jogadores do Sporting» (Rádio Renascença, 12.02.2020, 14h33). Vê-se logo que a Porto Editora nunca levou um aperto.

 

[Texto 12 830]

Helder Guégués às 08:15 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
18
Fev 20

Como se traduz por aí

A pior

 

      «“Há provas muito limitadas – se é que há – do benefício das máscaras faciais. As máscaras são úteis para aqueles que estão indispostos e visam proteger as outras pessoas em redor”, afirma em entrevista à agência de notícias “Bloomberg”» («Esqueça as máscaras. Esta é a melhor forma de se proteger do coronavírus», Marta Grosso com Bloomberg, Rádio Renascença, 12.02.2020, 16h24).

      Está bem, mas «indisposto» será a melhor tradução de unwell ou a pior? Eu voto em que é a pior. «Masks are useful for those who are unwell to protect other people from them.»

 

[Texto 12 829]

Helder Guégués às 08:00 | comentar | favorito
Etiquetas: ,