02
Mar 20

Léxico: «desinsuflar»

Também não?

 

      «As audiências de Marcelo Rebelo de Sousa a alguns grupos da sociedade civil por causa da eutanásia são uma maneira de o Presidente “desinsuflar a bolha política à volta do debate”, defende João Taborda a Gama» («Eutanásia. Marcelo quer “desinsuflar a pressa e a bolha política”», Marta Grosso, Rádio Renascença, 18.02.2020).

 

[Texto 12 877]

Helder Guégués às 09:45 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «sobreutilização»

Antes que o estropiem

 

      «As autoras salientam que não se pode excluir a possibilidade de os resultados obtidos ao longo do tempo — resultantes de estudos anteriores — para as consultas hospitalares reflectirem uma sobreutilização das consultas de especialidade» («Mais educação e mais dinheiro facilitam acesso a consultas médicas hospitalares», Ana Maia, Público, 18.02.2020, p. 19).

 

[Texto 12 876]

Helder Guégués às 09:30 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «milinilitrilião | zilião»

Não é de admirar, ou sim

 

      Que milinilitrilião não esteja registado nos nossos dicionários, francamente, não é de admirar. Mas zilião, que estou aqui a ver num livro de BD, mas BD séria, de divulgação científica, estar também ausente dos dicionários, a começar pelo da Porto Editora, isso é que já me parece muito mau.

 

[Texto 12 875]

Helder Guégués às 09:15 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «esporão»

Já é tempo

 

      «O sarcófago fica ao lado da “rostra”, as arquibancadas do Fórum Romano, onde tradicionalmente é apontado o enterro de Rómulo, segundo os escritos de Marco Terencio Varrone e outros historiadores antigos. Segundo a mitologia romana, Roma terá sido fundada em 753 a.C. pelos gémeos Rómulo e Remo» («Descoberto um sarcófago e um altar dedicado ao fundador de Roma o século VI a.C.», TSF, 18.02.2020, 21h24).

      Rostro, diz a amiga Porto Editora, é a «tribuna ornada de esporões de navios em que os oradores romanos discursavam no foro». O termo, em português, também designa, no léxico náutico, essa «extremidade da proa dos navios». (Avise-se o pessoal, num aparte: é também rostro o nome que em botânica se dá ao «esporão dos vegetais», isto sempre tudo segundo a Porto Editora, e está certo. O que está mal é não registar, entre muitos outros, o sentido de esporão que eu usei aqui recentemente, a propósito de calcanheira. Aliás, o verbete está muito pobre.) Em suma, mais valia que o jornalista escrevesse em português — e nesse caso teria, provavelmente, visto o que significa a palavra num qualquer dicionário. E também já é tempo de saberem que os nomes latinos se traduzem: Marco Terêncio Varrão.

 

[Texto 12 874]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «pozolânico»

«Pozolana» já tu tens

 

      «Na sala dos solos, a dupla Caterina Plenzick e Katrin Krupka, que desenvolveu um mosaico com solos pozolânicos, foi vencedora numa das categorias do concurso» («Nos Açores transformam-se recursos naturais em design», Susana Pinheiro, Público, 18.02.2020, p. 20).

 

[Texto 12 873]

Helder Guégués às 08:45 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «hexadecágono»

A palavra pesquisada

 

      Não foi encontrada neste dicionário. «O nosso país pareceria mais um hexadecágono (não precisa de ir ao Google se a geometria não for o seu forte, é um polígono de 16 lados)» («Portugal é o maior país da Europa? Há quem diga que sim», Ana Kotowicz, Dinheiro Vivo, 23.06.2016, 18h29). Pois, e escusa também de ir consultar qualquer dicionário — em nenhum vai encontrar a palavra hexadecágono. Distraia-se, pense noutras coisas.

 

[Texto 12 872]

Helder Guégués às 08:30 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «biopolimérico»

Então, «biopolímero»...

 

    Biopolimérico: «Noutra sala há uma instalação artística com dezenas de conteiras, uma planta invasora no arquipélago. É aqui que está exposta a escova de dentes Fibra da designer Sónia Soeiro, com o cabo feito em material compósito de matriz biopolimérica, que é biodegradável, com reforço em fibra de conteira» («Nos Açores transformam-se recursos naturais em design», Susana Pinheiro, Público, 18.02.2020, p. 20).

 

[Texto 12 871]

Helder Guégués às 08:15 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
02
Mar 20

Definição: «alterações climáticas»

Há muito melhor

 

      «“Há toda uma colaboração multilateral pensando na paz, pensando no diálogo, pensando nas mais jovens gerações, no desenvolvimento sustentável, no desafio das alterações climáticas, mas também no direito internacional e nos direitos humanos”, declarou Marcelo com [o seu homólogo indiano] Ram Nath Kovind ao seu lado» («Marcelo na Índia defende colaboração nas alterações climáticas e direitos humanos», Paula Caeiro Varela, Rádio Renascença, 14.02.2020, 8h04).

    E no dicionário da Porto Editora, como definem alterações climáticas? Assim: «conjunto de mudanças significativas e duradouras no padrão climatológico do planeta ou de uma dada região (em especial, as que decorrem do aumento dos níveis de dióxido de carbono e de outros gases na atmosfera, em resultado do uso de combustíveis fósseis)». Não será demasiado sucinto?

      Compare-se: «O que quer dizer “alterações climáticas”? Segundo a Organização Meteorológica Mundial (OMM), as alterações climáticas são as variações do estado médio do clima ou da sua variabilidade (sem considerar os eventos extremos), que se mantêm durante um período extenso: 30 anos ou mais. Pode ser um aquecimento ou um arrefecimento global. As alterações climáticas a que estamos a assistir em todo o mundo são um conjunto de fenómenos que os cientistas atribuem ao aquecimento global, parte do qual é antropogénico (ou seja, resulta da ação do homem). Quando comparada com os tempos antes da Revolução Industrial (meados de 1800), a temperatura da Terra terá chegado já a + 1 ºC, e poderá chegar a + 3/5 ºC até 2100 se não agirmos rápida e resolutamente no que concerne às emissões de dióxido de carbono» (Greta Thunberi, Uma História Incrível, Valentina Gianella. Tradução de Maria João Ferro. Amadora: Booksmile, 2019, p. 38).

 

[Texto 12 870]

Helder Guégués às 08:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito