09
Mar 20

Léxico: «malignizar»

Usado e desprezado

 

      «“Conhecendo-se a essência destas alterações, podemos procurá-lo num elemento da família e isso ajuda-nos a compreender os mecanismos das doenças, a forma como as células se malignizam a partir de determinada alteração genética”, explica João Oliveira, presidente do IPO de Lisboa» («IPO de Lisboa identifica novos genes de cancro familiar», Sara de Melo Rocha, TSF, 5.03.2020, 7h19).

      Porto Editora, sua cabeça-no-ar, não registas o verbo malignizar, mas não deixas de o usar.

 

[Texto 12 917]

Helder Guégués às 10:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
09
Mar 20

Léxico: «dacha»

Com tch é mais português?

 

      «Reservei uma dacha no condomínio no cabo Idokopas para seu uso exclusivo. O tempo na costa é ameno até meados de outubro» (O Candidato do Kremlin, Jason Mathews. Tradução de Pedro Ribeiro. Alfragide: Lua de Papel, 2018, p. 180).

      Sim, o aportuguesamento. Não percebo é porque não está no dicionário da Porto Editora. Acolhe apenas datcha, e a definição deixa-nos a rir: «casa de veraneio tipicamente russa». Dizer-se que é tipicamente russa é alguma descrição útil? No Merriam Webster: «a Russian country cottage used especially in the summer».

 

[Texto 12 916]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,