Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Léxico: «minimoto»

Alguns não o esqueceram

 

      «No próximo dia 29 de Março, o Largo do Convento, em Avis, será o ponto de partida de André Sousa para a inédita volta ao Mundo numa minimoto Honda Monkey, com o objectivo de conquistar o recorde mundial» («Português vai dar a volta ao Mundo numa Honda Monkey», Motor 24, 12.03.2020). O que sei é que no Collins o registam: «a reduced-size replica racing motorcycle powered by a two-stroke petrol engine and used for racing». Curiosamente, ah, estas coincidências, menos de uma hora antes de ler esta notícia vi uma minimoto destas perto da Mata de Benfica.

 

[Texto 12 970]

Léxico: «pinhal-novense»

Porto Editora, qual a desculpa?

 

     «Do currículo do piloto pinhal-novense fazem parte muitos momentos de glória, a maioria passados em cima de duas rodas: é o motard luso que mais vezes terminou o Dakar. Em 2000 ficou no nono lugar da geral, no mesmo ano foi o primeiro classificado na classe maratona — uma árdua prova dentro do Dakar onde a moto tem de chegar ao final sem que o quadro, as suspensões ou o motor sejam trocados —, e em 2002 venceu uma especial» («Bernardo Villar fora do Lisboa-Dakar 2008», Pedro Chaveca, Expresso, 5.12.2007, 16h04).

 

[Texto 12 968]

Léxico: «silvense»

Porto Editora, variante

 

      «O reconhecido exercício [por José Vitoriano] da Vice-Presidência da Assembleia da República, o mais alto cargo exercido por um silvense, no século XX, na hierarquia do Estado, é exemplar» («Apresentado o livro “José Rodrigues Vitoriano, um operário construído”», Francisco Martins, Terra Ruiva, 16.10.2018).

 

[Texto 12 967]

Léxico: «cortisol»

Porto Editora, pega-lhe

 

      «As consequências são físicas e psicológicas. O estado de alerta permanente leva-nos a grandes níveis de stresse, aumentado [sic] o ritmo cardíaco e a produção de cortisol (a chamada hormona do stresse)» («A vida em contrarrelógio», Sara Rodrigues, Visão, 13.02.2020, p. 81).

 

[Texto 12 966]

Léxico: «paciente zero»

Agora é que interessa

 

      «“Não infetei ninguém.” Apontado como o paciente zero do grande foco de contágio espanhol defende-se» (Mariana Fernandes, Observador, 15.03.2020, 17h35).

     Paciente zero, a primeira pessoa contaminada por um agente patogénico por ocasião de uma epidemia, ainda não está nos nossos dicionários — e não é nada que se tenha inventado agora, bem pelo contrário.

 

[Texto 12 965]

Léxico: «biofarmacêutica»

«Biofármaco» já tu tens

 

      «A abordagem desta biofarmacêutica alemã [CureVac] é semelhante à escolha pela Moderna. A vacina introduz no corpo um pedaço de informação genética igual ou muito parecida à que existe no SARS-CoV-2, mas feito em laboratório. O truque é obrigar o sistema imunitário a reagir quando essa informação genética é introduzida na célula para, caso a pessoa seja infetada pelo coronavírus, o organismo já saiba como o atacar» («Folhas de tabaco, vírus do sarampo e moscas da fruta. As estratégias mais promissoras para a vacina contra o coronavírus», Marta Leite Ferreira, Observador, 15.03.2020, 15h37).

 

[Texto 12 964]

Definição: «viriato»

De tão breve, equívoco

 

      Lê-se no dicionário da Porto Editora que viriato é o «nome dado aos portugueses que participaram na Guerra Civil de Espanha». É pouco informativo. Os Viriatos eram voluntários, uma milícia composta por entre 20 mil e 30 mil membros, comandados pelo capitão Jorge Botelho Moniz (1898-1961), um dos oficiais do 28 de Maio e fundador do Rádio Clube Português, que foram para Espanha lutar ao lado das tropas franquistas.

 

[Texto 12 963]