Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Léxico: «reactor»

Somos pobres, não temos cá disso

 

   «O papel da Janssen está, segundo Paul Stoffels, chefe de investigação da empresa, num birreactor de 2 mil litros, capaz de produzir 300 milhões de vacinas por ano» («Corrida por uma vacina», João Vaz, Correio da Manhã, 18.04.2020, p. 24).

      Nos nossos dicionários, nem um simples reactor, quanto mais um birreactor, que, evidentemente, é isto: «A container or apparatus in which substances are made to react chemically, especially one in an industrial plant» (in Oxford Dictionary).

 

[Texto 13 193]

Léxico: «imunoensaio | quimi(o)luminescência»

Duas para a pandemia

 

    O Centro de Medicina Laboratorial Germano de Sousa faz testes serológicos. Trata-se de um «imunoensaio por quimioluminescência in vitro». Nesta fase da pandemia, porém, parece que fazer um teste destes é mandar dinheiro para a rua. Mais vale abrir a aplicação Uber Eats e mandar vir um bom jantar.

 

[Texto 13 192]

Léxico: «mariposista»

Talvez em italiano

 

      «“Neste momento, estamos a receber, tal como no Curry Cabral, doentes Covid-19. São doentes que chegam em estado muito grave e precisam ser ventilados. No fundo, não é diferente ao que estamos habituados no nosso dia a dia. Aqui a grande diferença reside na grande proteção que temos de usar”, desmistifica [Ana Francisco] a antiga mariposista da SFUAP [Sociedade Filarmónica União Artística Piedense], reconhecendo, todavia, que o facto de estar perante um vírus pandémico “causa mais ansiedade por não saber o que aí vem”» («Os verdadeiros campeões: atletas portugueses que combatem o vírus», Célia Lourenço, A Bola, 10.04.2020, 15h13). Então, Porto Editora, é, nel linguaggio sportivo, specialista nel nuoto a farfalla.

 

[Texto 13 191]

Léxico: «andarilho | quadripé»

A Porto Editora vai às compras

 

      «Capitão reformado do exército britânico, Tom Moore desloca-se devagar com a ajuda de um andarilho, ainda assim, propôs-se caminhar os 25 metros do jardim à volta da sua casa 100 vezes e isto antes de celebrar o seu 100º aniversário, a 30 de Abril. É também a sua forma de ser solidário com os “‘soldados” que lutam contra o coronavírus, mulheres e homens da linha de frente, médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde» («Passo a passo, Tom Moere [sic] angariou 19 milhões de dólares», Jornal de Angola, 18.04.2020, p. 8).

      Porto Editora, se defines andarilho, nesta acepção, como a «estrutura metálica leve, assente em quatro pernas, sobre a qual uma pessoa com dificuldades de locomoção se apoia para se deslocar com estabilidade; andadeira», estás a precisar de ir a uma loja de produtos ortopédicos — ou de abrires os olhos quando vais pela rua. Não foi há muito que vi uma pessoa em Cascais que empurrava um andarilho de quatro rodas e assento, sob o qual se encontrava um cesto para as compras. Mas não deixes de ir a uma loja e traz também um quadripé, faz-te falta.

 

[Texto 13 190]

Léxico: «taparuere»

Avistado de quando em quando

 

      «O professor explica que “o barco telecomandado vai para uma cerca zona de um rio ou de um lago, é comandado com um comando tipo drone, e conseguimos no ponto em que nós queremos fazer a recolha de água, que vem dentro de uma espécie de um taparuere, para nós podermos analisar”» («Ensino experimental à distância? Sim, é possível», Olímpia Mairos, Rádio Renascença, 20.04.2020, 9h45).

 

[Texto 13 189]

Léxico: «huilano»

Hui!

 

      «O Estado de Emergência decretado pelo Presidente da República, João Lourenço, desde o dia 27 de Março levou os xadrezistas huilanos a adaptarem-se às novas estratégias de treinamento desportivo através de um aplicativo no sistema online. Mais de 20 atletas confinados em suas residências realizam jogos de preparação com adversários espalhados em Luanda, Benguela, Moxico, Huambo, Uíge e Cuanza-Sul com vista às competições nacionais» («Huilanos realizam jogos online», G. Hamelay, Jornal de Angola, 20.04.2020, p. 30).

      A Porto Editora pára em hui («exprime dor, espanto, surpresa ou repugnância; ui!»), interjeição vista pela última vez em mestre Gil Vicente. Está certo, evidentemente, que continue nos dicionários, até porque ainda não se deu nenhum Fahrenheit 451, como venho defendendo insistentemente. «Hui! e que pecado é o meu, /ou que dor de coração?»

 

[Texto 13 188]

Léxico: «audiodescrição | audiodescritor»

Outra acepção, outro vocábulo

 

      «“A audiodescrição ou descrição de imagens, esquemas, mapas e frases, é essencial para estes alunos poderem acompanhar o raciocínio lógico do encadeamento do que vai sendo dito, uma vez que a informação visual da matéria complementa, significativamente, o que é dito pelo professor”, sublinha a CNIPE [Confederação Nacional Independente de Pais e Encarregados de Educação]. [...] Não é recomendável também, segundo a CNIPE, porque “uma audiodescrição feita por um adulto em casa enquanto o professor fala/explica a matéria é extremamente confuso para o aluno e mesmo para o audiodescritor”» («Telescola. Encarregados de Educação pedem audiodescrição para alunos cegos», Rádio Renascença, 20.04.2020, 10h44).

      O dicionário da Porto Editora só regista audiodescrição, mas não cobre esta realidade, pois define-a como a «descrição verbal do conteúdo visual de uma obra de arte ou de uma manifestação cultural (filme, peça de teatro, etc.), feita com o objectivo de o tornar acessível a pessoas invisuais ou com sensibilidade visual diminuída».

 

[Texto 13 187]

Como se escreve por aí

Que tristeza

 

      «A polémica em torno das comemorações do 25 de abril está aquecer [sic]. [...] A polémica agora é sobre as celebrações do 25 de abril. [...] A opinião hoje tem a assinatura do Pedro Tadeu e vem em forma de pergunta: “O coronavírus pode matar o 25 de abril?” [...] E, claro, todos os dias, temos Tubo de Ensaio. Hoje o Bruno Nogueira e o João Quadros falam do “Corona e o 25 de abril”» («25 de abril sempre... mas com distanciamento social», Anselmo Crespo, TSF, 20.04.2020, 18h24).

      Conhecem a língua em que escrevem? Não conhecem. Têm desculpa? Não têm. Merecem ser lidos? Não merecem.

 

[Texto 13 186]