02
Mai 20

À volta do lírio-branco

Não é bem assim

 

      «No retrato dos Clark, a par de um telefone branco e de um candeeiro art déco, situados ao lado dele, há outro detalhe a reter: ao lado dela, repousando suavemente sobre uma mesa imaculadamente branca, uma jarra com lírios, desde sempre associados à pureza feminina e à maternidade (nas zonas do leste do Mediterrâneo e nos Balcãs existe mesmo uma espécie denominada lírios-da-anunciação ou lírios-de-madonna, Lilium candidum)» («Ali há gato», António Araújo, Diário de Notícias, 2.05.2020, p. 42).

      Não é bem assim. Esta planta herbácea, de que existem muitas variedades, é nativa de um vasto arco que vai da Córsega às encostas do Cáucaso, e o seu nome científico é Lilium candidum. Entre nós, tem vários nomes comuns, como lírio, lírio-branco, açucena, açucena-branca, bordão-de-são-josé, etc. Há muito com conotações de pureza e símbolo no próprio Cristianismo (e supostamente já referida na Bíblia), é conhecida em língua inglesa como madonna lily e annunciation lily

      (Também não se percebe porque é que António Araújo, que «escreve de acordo com a antiga ortografia», grafa «adicção» só com um c — «terrível adição às drogas duras» — e «Leste» com minúscula — «leste do Mediterrâneo». E, é claro, erra também no apelido do casal retratado — são os Clarks. Aprenda com um empresário, na mesma edição do jornal em que escreve: «Entre as famílias tradicionais enumera, obviamente a sua, os Paivas, os Carvalhos, os Avillez, os Belos, os Gamas, os Oliveiras, os Parreiras, os Coutos – “famílias muito antigas, umas com património, outras não” [diz António Soares Franco, presidente do conselho de administração da José Maria da Fonseca]» («O dia para o recomeço está marcado. A partir daqui tudo vai ser diferente. Que lições vamos levar destes tempos para a vida real?», Graça Henriques, Diário de Notícias, 2.05.2020, p. 26).

 

[Texto 13 266]

Helder Guégués às 11:45 | favorito
Etiquetas: ,
02
Mai 20

Duplo plural de «hortelão»

Seria o trabalho completo

 

      «Não é a primeira vez que a comunidade de hortelões das Hortas Urbanas de Setúbal promove uma iniciativa desta natureza. No último Natal, todos juntos, realizaram uma campanha que terminou com a entrega, aos mais necessitados, de mais de 40 quilos de bens hortícolas» («Hortelões de Setúbal lançam campanha solidária», Rosário Silva, Rádio Renascença, 29.04.2020, 14h11).

      Agradecemos, como não, que o dicionário da Porto Editora registe no verbete hortelão o seu feminino, «horteloa», mas ainda agradeceríamos mais se registasse o duplo plural, «hortelãos / hortelões».

 

[Texto 13 265]

Helder Guégués às 08:00 | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,