18
Mai 20

Léxico: «tremedeira»

Digam-me que estão a brincar

 

      «No conto, [Guimarães] Rosa descreve a chegada da doença na pequena localidade: “Ela veio de longe, do São Francisco. Um dia, tomou caminho, entrou na boca aberta do Pará, e pegou a subir. Cada ano avançava um punhado de léguas, mais perto, mais perto, pertinho, fazendo medo no povo, porque era sezão da brava – da ‘tremedeira que não desamontava’ – matando muita gente”. Na história, o médico/escritor conta a saga de dois primos que lutam contra a doença numa “fazenda denegrida”, distante três quilômetros da vila. Todos os dias, eles se sentam ao sol, para se esquentar do frio causado pela febre. Um frio que “cai entre os ombros, e vai pelas costas, e escorre das costas para o corpo todo, como fios de água fina”, como descreve um dos personagens. E, ali, eles fazem um inventário de suas vidas, entre um acesso e outro de tremedeira. Do povoado, os moradores foram embora, “os primeiros para o cemitério, os outros por aí a fora, por este mundo de Deus”, nas palavras de Rosa» («Povoado que resistiu a epidemia está vivo», Fernando Granato, O Estado de S. Paulo, 14.05.2020, p. H3).

      Como é que esta palavra, nesta acepção, que ouvimos desde sempre, não está no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora?

 

[Texto 13 373]

Helder Guégués às 09:45 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «juspsicológico»

Nunca leram um relatório desta área?

 

      «O psicólogo forense e presidente da PsiJus, Associação para a Intervenção Juspsicológica, Carlos Poiares, defende que, nos processos de regulação de responsabilidades parentais, ambos os progenitores devem ser “objeto de avaliação psicológica forense, imperativa, realizada por psicólogos com grau académico e formação universitária em psicologia forense”. Esta posição foi manifestada a propósito do caso da morte de Valentina» («Pais deviam ser avaliados por psicólogos forenses», Jornal de Notícias, 14.05.2020, p. 21).

 

[Texto 13 372]

Helder Guégués às 09:30 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «milpés»

Eh, brutos

 

      «Uma nova espécie para a ciência foi descoberta através do Twitter pela bióloga portuguesa Ana Sofia Reboleira, que identificou num milpés, partilhado por um cientista nos Estados Unidos o fungo agora batizado de ‘Troglomyces twiterii’» («Um fungo num milpés. Como uma portuguesa descobriu uma nova espécie no Twitter», TSF, 14.05.2020, 20h09).

      Aparece recorrentemente. Em castelhano existe milpiés. Os nossos lexicógrafos acham pouco — greguejam logo miriópode, dez mil pés! Eh, brutos!

 

[Texto 13 371]

Helder Guégués às 09:15 | comentar | ver comentários (3) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «lírio-de-água»

Ou com apóstrofo

 

      «São mais de 700 objectos e compõem aquela que é tida como a maior colecção privada de Arte Nova da Europa. Peças de mobiliário, cerâmicas, candeeiros, entre outros artigos, que foram sendo adquiridos por um amante de arte – Ferdinand Wolfgang Neess – e que vão, agora, ser expostas no Museu de Wiesbaden. A nova exposição abre ao público a 29 de Junho e ficará patente em permanência. Nesta exibição que resulta da doação feita, em 2017, por Ferdinand Wolfgang Neess, a Arte Nova é apresentada com todo o seu esplendor. E luxo. São várias peças de mobiliário adornadas com orquídeas e lírios-de-água, candeeiros Tiffany, cerâmica holandesa, representativas desse movimento artístico de finais do século XIX – e que na Alemanha foi chamado de “Jugendstil” (estilo jovem)» («A arte nova com todo o seu esplendor», Maria José Santana, «Fugas»/Público, 15.06.2019, p. 16).

      O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora tem vários lírios, mas não este, que já tenho visto com apóstrofo, lírio-d’água. Mais poético.

 

[Texto 13 370]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «antifunicular»

Como se vê, é necessário

 

      Aqui o Prof. *** diz que orientou a dissertação de mestrado integrado em Arquitectura do aluno tal, que versava sobre estruturas antifuniculares. Nos dicionários, nada.

 

[Texto 13 369]

Helder Guégués às 08:45 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «feno-das-areias | cocleária-menor | peneireiro-comum»

Uma breve saída

 

      No sábado, já a recuperar francamente (e o meu teste, Dra. Graça Freitas?), fui dar uma volta e acabei por ir parar às Azenhas do Mar. Antes passei pela Praia Grande, onde pude comprovar que largas centenas de portugueses se lembraram de fazer o mesmo. (O primeiro-ministro escusa então de se esforçar no apelo ao desconfinamento — pelo menos para passearem.) Num daqueles painéis com informação sobre a fauna e a flora do local, vi que faltam pelo menos três nomes no dicionário da Porto Editora, nomeadamente, feno-das-areias (Elymus farctus), cocleária-menor (Ionopsidium acaule) e peneireiro-comum (Falco tinnunculus).

 

[Texto 13 368]

Helder Guégués às 08:30 | comentar | ver comentários (3) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «escovaria | coça-gatos»

Nem por estar tão perto

 

      Porto Editora, então aí perto tens a quase centenária Escovaria Belomonte e atreves-te a dizer que «escovaria» é somente uma forma do verbo «escovar»?... Ai que me dá uma coisa! Olha, podes lá encontrar, por exemplo, apanha-migalhas, que conheces, e coça-gatos, que desconheces, e mais não digo.

 

[Texto 13 367]

Helder Guégués às 08:15 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,
18
Mai 20

Léxico: «cusco»

Para começar o dia

 

    E esta? «Chef em casa: Daniel Gomes ensina receita com cuscos transmontanos» (Luísa Marinho, Evasões, 17.05.2020, p. 33). «Há quem faça uma certa analogia entre os cuscos transmontanos e os cuscuz árabes», escreve Maria de Lourdes Modesto na sua obra Sabores com Histórias (Alfragide: Oficina do Livro, 2014). Nos dicionários é que não se estabelece analogia alguma, pois cusco, nesta acepção, não está em nenhum. (Há sempre um erro: errou Maria de Lourdes Modesto e errou a Oficina do Livro, pois o plural de «cuscuz» é «cuscuzes», como o de «arroz» é «arrozes». A Porto Editora acha que não é preciso indicar o plural de «cuscuz», só de «arroz»...)

 

[Texto 13 366]

Helder Guégués às 08:00 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,