20
Mai 20

Léxico: «fritura», de novo

E bem expressivo

 

      Sim, é um sentido figurado; sim, existe; sim, usa-se no Brasil. «O presidente Jair Bolsonaro ampliou o processo de fritura da secretária especial da Cultura, Regina Duarte, ao interferir novamente em nomeações da pasta. Após repercussão, ele recuou de uma delas. [...] Ele, contudo, não pretende demitir a atriz nos próximos dias. Bolsonaro deverá repetir o processo de fritura e desgaste que já fez com diversos ex-aliados como os ex-ministros Gustavo Bebianno, Sergio Moro e Ricardo Vélez» («Bolsonaro amplia fritura de Regina Duarte em prol da ala ideológica», Talita Fernandes, Renato Onofre e Mônica Bergamo, Folha de S. Paulo, 6.05.2020, p. B13). «Na Secretaria da Cultura, o processo de “fritura” de Regina Duarte é tema recorrente das conversas de integrantes da pasta» («Regina Duarte e Bolsonaro terão reunião sobre interferências», Correio da Bahia, 6.05.2020, p. 12).

 

[Texto 13 392]

Helder Guégués às 14:30 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «desempenadeira»

Voltamos às obras

 

      Mais construção civil no Brasil, e com uma lição. «Passe a desempenadeira em movimentos circulares para retirar o excesso» («Fase inicial da obra», Dicas para o Construtor, Março de 2020, p. 21). E que está a ilustrar estas instruções? Ora bem, não é uma «régua de madeira que serve para estender e nivelar o reboco nas paredes», definição — errada, a meu ver — de desempenadeira constante do dicionário da Porto Editora. Não: o que está na imagem é o que eu toda a vida conheci como talocha. Uma «régua de madeira que serve para estender e nivelar o reboco nas paredes» é o quê, um sarrafo, uma ripa?

 

[Texto 13 391]

Helder Guégués às 14:15 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «angelino»

De Los Angeles

 

      «Moradora de Los Angeles há cinco anos, a pesquisadora Juliana Torres, 30, estava acostumada a levar o cachorro a uma área para animais na vizinhança que ficava quase sempre deserta. Isso mudou no período de quarentena. “Antes via raramente um ou outro dono por lá. Agora vejo cinco, seis pessoas usando o espaço todas as vezes. Mas mantendo distância.” [...] “Se todos os vizinhos saírem para andar ou correr, não há espaço nas pequenas calçadas para que cada pedestre fique longe dos outros. É preciso ficar ziguezagueando entre a rua, onde carros passam em alta velocidade, e a calçada lotada. Os angelinos não deveriam ter de enfrentar esses obstáculos”, pediu o jornal Los Angeles Times, em um editorial no qual defendeu o fechamento das vias» («Na Califórnia, carros cedem lugar a pedestres nas ruas», Rafael Balago, Folha de S. Paulo, 8.05.2020, p. A10).

      Já uma vez aqui tínhamos discutido a existência deste gentílico. Não vale a pena inventar nada, é isto. Angelino está no dicionário da Porto Editora, mas remete sem mais para «angélico», mero adjectivo, «próprio de anjo», etc.

 

[Texto 13 390]

Helder Guégués às 14:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «sercial»

É variante

 

      «A tal conquista no palato dos clientes foi tanta, ao longo dos anos, que estes ‘craft beer dealers’ — qualquer coisa que em português significa ‘distribuidores de cerveja artesanal’ — começaram a idealizar bebidas e a criar receitas com aquilo que é nosso: maracujá, tangerina e, mais recentemente, a goiaba, isto sem esquecer outras tantas que envelheceram em barricas de Vinho Madeira como malvasia, verdelho ou sercial» («Vilhoa testa limite do sabor», Rúben Santos, Jornal de Notícias da Madeira, 11.05.2020, p. 19).

 

[Texto 13 389]

Helder Guégués às 09:45 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «sub-bairro»

É assim no Brasil

 

      «Revelado no Flamengo, Jean Lucas, de 22 anos, doou duas toneladas de alimentos para moradores de Jardim Maravilha, sub-bairro de Campo Grande. Passando o período de quarentena no Brasil, o jogador, que atualmente atua como volante do Lyon, da França, declarou: “Nós, jogadores, que temos condições de ajudar pessoas que vivem um momento complicado como esse, não podemos dar as costas. Até porque, na infância, eu e minha família também tivemos as nossas dificuldades. E cresci exatamente aqui”» («Jogadores contribuem», O Dia, 10.05.2020, p. 7). É como a motocisterna — não são realidades nossas, mas, para aqueles povos, são coisas bem concretas e, por isso mesmo, devem estar dicionarizadas.

 

[Texto 13 388]

Helder Guégués às 09:30 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «motocisterna», de novo

Continuamos a ignorar isto?

 

      Talvez dia sim, dia não, aparece no Jornal de Angola, ora bem, ora (impensavelmente) mal escrito. «Um total de 20 moto-cisternas foram distribuídas nos dez municípios da província da Lunda-Norte para facilitar a distribuição de água potável às populações, neste período de Estado de Emergência, devido à pandemia da Covid-19. [...] A água potável, lembrou Ernesto Muangala, é crucial para o reforço das medidas de prevenção contra a Covid-19. Por isso, acrescentou, as autoridades municipais devem certificar que a água é distribuída aos destinatários para os quais o Estado adquiriu as moto-cisternas» («Motos-cisterna levam água às populações», Victorino Matias, Jornal de Angola, 30.04.2020, p. 5). Escreve assim cinco vezes. Mais: «Um total de vinte motoscisterna foi entregue ontem às 11 administrações municipais da província do Huambo, para garantir o abastecimento de água potável, no sistema porta-a-porta, às comunidades residentes em áreas críticas e de difícil acesso» («Mais de quatro mil pessoas sensibilizadas sobre a doença», Marcelino Wambo Adolfo Mundombe, Jornal de Angola, 1.05.2020, p. 5). Por vezes, porém, acertam: «Sobre a distribuição gratuita de água, Agostinho Paiva disse que está a ser feita através do sistema de captação de 200 metros cúbicos e de uma motocisterna de mil litros, sendo que nas zonas rurais foram criados alguns furos provisórios» («Município de Xá-Muteba recebe equipamento de biossegurança», Jornal de Angola, 5.05.2020, p. 5). «À reportagem do Jornal de Angola, José João explicou que o camião-cisterna que abastece os lavatórios está avariado, mas assegurou que a situação será resolvida com aquisição, pela Administração Municipal do Kilamba Kiaxe, de duas moto-cisternas» («Lavatórios inoperantes por falta de água», António Pimenta, Jornal de Angola, 16.05.2020, p. 4).

 

[Texto 13 387]

Helder Guégués às 09:15 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «graute | grautear | grauteamento»

Ainda nas obras

 

      «Tanto os pontos de vergalhões como os de grauteamento são definidos pelo engenheiro responsável pela obra» («Como se faz», Dicas para o Construtor, Abril de 2020, p. 12). «Os vãos dos blocos devem ser preenchidos com graute quando a obra estiver pela metade, na altura do pé-direito» («Como se faz», Dicas para o Construtor, Abril de 2020, p. 20). «Graute: concreto de grande fluidez, usado para preencher os blocos de concreto na alvenaria estrutural.» «Efetue a limpeza dos blocos que serão grauteados por meio da abertura feita no bloco estratégico, com o auxílio de uma colher» («Como se faz», Dicas para o Construtor, Abril de 2020, p. 21).

 

[Texto 13 386]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «taxa de transmissão», de novo

Continua a aparecer

 

      Porque a pandemia ainda não acabou, e taxa de transmissão e Rt aparecem quase diariamente na imprensa de três países. «O mais recente boletim do Instituto Ricardo Jorge revela que o Rt, o indicador do potencial de transmissão do novo coronavírus, é nesta altura em Portugal de 0,97, numa altura em que o país está no início da fase de desconfinamento. [...] “O Rt total no nosso país está em 0,97, com muito pequenas variações regionais. A região centro, apesar de ter poucos casos novos, teve uma variação do RT para 1,03, mas as diferenças são muito poucas significativas entre regiões”» («Covid-19: Taxa de contágio em Portugal está em 0,97», Rádio Renascença, 15.05.2020, 15h05).

 

[Texto 13 385]

Helder Guégués às 08:45 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «actuador»

Vão a outra loja

 

      «O sistema do tejadilho foi evoluído e consiste em duas partes móveis: uma de lona e o vidro traseiro, tal como no antecessor. Dois elementos integrados concebidos em magnésio garantem que a parte de lona permanece sempre firme e bem insonorizada, protegendo também a questão da temperatura. Já o vidro traseiro foi otimizado no seu peso. A abertura e fecho do tejadilho é agora mais rápido graças a atuadores elétricos mais potentes» («Elegância extravagante: Novos Porsche 911 Targa prometem emoções fortes», Pedro Junceiro, Motor 24, 18.05.2020). Ao balcão da Porto Editora é que não valia a pena pedirem estas peças, actuadores, pois não sabem do que se trata.

 

[Texto 13 384]

Helder Guégués às 08:30 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «pascoano»

Agora seria pior

 

      «Por seu turno, a Inglaterra protestou e, em Valparaíso, Eugène Eyraud, que mais tarde se tornou o apóstolo dos pascoanos, sublevou a opinião pública e ofereceu-se para recolher os sobreviventes dos trabalhos forçados» (Fantástica Ilha de Páscoa, Francis Mazière. Tradução de Maria Luísa Trigueiros. Lisboa: Livraria Bertrand, s/d [1965], p. 42).

      Aqui, a tradutora não se afastou muito do original, pascuan, mas parece-me, a par de pascoense, perfeitamente bem. (Veja-se, v. g., «alentejano».) Isto foi há cinquenta anos. Se fosse hoje, alguns tradutores achariam mais natural (como já vi) optar por «rapanui»...

 

[Texto 13 383]

Helder Guégués às 08:15 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
20
Mai 20

Léxico: «sucroalcooleiro | sucroquímica | sucroquímico»

Toma lá três

 

      «“Já tive 500 hectares com cana. Hoje são 300 hectares para a cultura e 400 para soja”, disse. A família Cavatão era tradicional produtora de laranja, mas viu no boom da cana uma oportunidade para crescer. Nos últimos anos, contudo, o setor sucroalcooleiro começou a dar sinais de arrefecimento. Com a entrada de pedido de recuperação judicial da Usina Moreno no ano passado, o sinal amarelo bateu para a família Cavatão» («Cana perde espaço na lavoura para soja e milho», Mônica Scaramuzzo, O Estado de S. Paulo, 18.05.2020, p. B4).

      Sim, Porto Editora, e a parte da química que estuda o açúcar não é a sucroquímica? E o adjectivo correspondente é sucroquímico.

 

[Texto 13 382]

Helder Guégués às 08:00 | comentar | ver comentários (3) | favorito
Etiquetas: ,