30
Jun 20

Definição: «inuíte»

Retrocedamos

 

      Posso voltar atrás? Claro que sim: um dicionário nunca chega ao fim, sobretudo agora, com as plataformas digitais, e por vezes torna-se mesmo necessário voltar atrás. Ora bem, aonde quero voltar? A inuíte/esquimó. Que sentido faz dizer, Porto Editora, que inuíte é «relativo aos Inuítes, povo esquimó que habita as regiões árcticas do Canadá, do Alasca e da Gronelândia»? Se inuíte é sinónimo de esquimó — com aquela ressalva que já consta como nota em «esquimó» —, como se pode dizer que inuíte é relativo ao povo esquimó? Vejamos Inuit num qualquer dicionário em língua inglesa. Pode ser no Oxford Advanced American Dictionary: «a race of people from northern Canada and parts of Greenland and Alaska. The name is sometimes also wrongly used to refer to people from Siberia and S. and W. Alaska». Espero que seja esclarecedor.

 

[Texto 13 629]

Helder Guégués às 11:00 | comentar | favorito

Ortografia: «Visegrado»

Ah, poupem-nos

 

      «Dito isto, Von der Leyen soube como agir para desfazer, por exemplo, o chamado “grupo de Visegrado”, recompensando largamente a Polónia, isolando a Hungria ou ignorando o discurso pretensamente “do Norte” de Bratislava» («“Risco moral” outra vez? Poupem-nos», Teresa de Sousa, Público, 28.06.2020, p. 10).

      Então uma jornalista escreve Visegrado e na Infopédia usam a grafia Visegrad? É num texto de apoio sobre Ivo Andric (na verdade, Andrić). E, já que aqui estamos, porque não registam também os topónimos estrangeiros aportuguesados no Dicionário de Toponímia, se ainda são mais úteis que os topónimos nacionais?

 

[Texto 13 628]

Helder Guégués às 10:45 | comentar | ver comentários (1) | favorito

Léxico: «hidrofugante | roscone»

Por vezes, falta o básico

 

      Para as paredes do terraço, o engenheiro propõe, leio aqui no relatório, que o reboco contenha um hidrofugante e o acabamento seja em roscone. Não nos opomos. Mas já a Porto Editora...

 

[Texto 13 627]

Helder Guégués às 10:30 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «bicada»

É claro que não é assim

 

      Quem disse que aos dicionários faltam apenas termos rebuscados ou neologismos? Perante certas faltas, nem queremos acreditar. Porto Editora, é contigo: «Ventura ia andando à cabeça da manifestação e dando bicadas aos líderes do PSD e CDS dizendo que “é mesmo verdade, a partir de hoje, não sei se doutor Rui Rio e o Francisco Rodrigues dos Santos estão a ouvir, a partir de hoje na direita em Portugal nada será diferente”» («1.300 pessoas em manifestação do Chega com slogans de esquerda», Susana Madureira Martins, Rádio Renascença, 27.06.2020, 17h10).

 

[Texto 13 626]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «esquartelar»

Esqueçam a heráldica

 

      O engenheiro propõe, dado que o terraço é muito extenso, que se use ali betonilha esquartelada, ou seja, dividir o pavimento por meio de juntas, que funcionam como juntas de dilatação, e evitando assim que o pavimento fissure irregularmente. Logo, esquartelar não é apenas um termo da heráldica, como se lê nos dicionários há décadas, porque há décadas se copiam uns aos outros. Não, esquartelar também é dividir qualquer superfície em partes iguais, que não são necessariamente apenas quatro.

 

[Texto 13 625]

Helder Guégués às 08:45 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «subclínico»

Psiu, é segredo

 

      No Muito Barulho Para Nada da semana passada, um dos convidados foi Mónica Vieira Cunha, professora e investigadora da Faculdade Ciências da Universidade de Lisboa, que está a coordenar o Covidetect, um projecto que tem como objectivo detectar e medir vestígios do SARS-CoV-2 nos efluentes domésticos, que, às tantas, falou «quer nos doentes que desenvolvem sintomas, quer naqueles que têm infecção subclínica». Manuela Silva Reis quis confirmar, e bem, se estes últimos são os chamados assintomáticos. Sim, são. Infelizmente, subclínico não é adjectivo que se encontre no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora. Muito estranho. (Ouvir Ana Margarida de Carvalho falar sobre o projecto Bode Inspiratório foi uma grande, grande seca, narcotizante, mas suponho que não se possa dizer isto. Ou pode?)

 

[Texto 13 624]

Helder Guégués às 08:30 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «ministração»

Ficamos pelo verbo?

 

      «A pandemia da Covid-19 no seio das igrejas e círculos teológicos também está a servir de referência a estudos doutrinários. Por exemplo, muitas religiões defendem a Santa Ceia, um ritual cristão que consiste na partilha de elementos simbólicos (pão e vinho), feita numa taça onde todos bebem e o pão é distribuído pelo sacerdote responsável pela ministração» («Covid faz renascer debates teológico-doutrinários», Jornal de Angola, 23.06.2020, p. 6).

 

[Texto 13 623]

Helder Guégués às 08:15 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
30
Jun 20

Léxico: «contraprodutividade»

Não é nova, não

 

      «Esta situação, contudo, mudou e veio levantar questões quanto à contraprodutividade actual do modelo da política dos círculos» (Globalização e Migrações, António Barreto. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2005, p. 236).

 

[Texto 13 622]

Helder Guégués às 08:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
29
Jun 20
29
Jun 20

Léxico: «fake news»

Vamos fazer a nossa parte

 

      Estou a frequentar o curso Cidadão Ciberinformado, promovido pelo Centro Nacional de Cibersegurança (CNCS) e a agência Lusa. Ora, anda tudo à volta das fake news. Não está na hora de levar a expressão para todos os dicionários? É mais uma com que andamos a conviver nos últimos anos e, como sempre, há quem use incorrectamente a expressão. Vamos ajudar, Porto Editora?

 

[Texto 13 621]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | favorito
Etiquetas: ,