31
Jul 20

Léxico: «canopla | espelho | trangla»

Mais termos da canalização

 

      «Depois, encaixe a canopla na parede», é a instrução da revista Guia Manual do Construtor. E agora, se nenhum dicionário regista canopla, como vai ser? Pelo que vejo, a canopla brasileira é o nosso espelho das torneiras, que, diacho!, também não está nos nossos dicionários. (Tap escutcheon, para a legião de anglófonos que nos segue.) Ainda acolhem, pelo menos isso, «espelho» no sentido de chapa que remata o buraco da fechadura. Mas faltam tantas acepções... Vá lá, no dicionário da Porto Editora, encontramos o espelho dos degraus. E por escadas: onde pára o verbete trangla, a barra (varão ou vergalhão) de metal para prender passadeiras aos degraus das escadas? «Ela alcançou a pequena porta ao lado e subiu pela escada de tábuas enceradas, com passadeira azul prêsa aos degraus por tranglas de metal amarelo» (Tempo das Águas, Afonso Schmidt, ‎com nota explicativa de Raimundo de Menezes. São Paulo: Clube do Livro, 1962, p. 22).

 

[Texto 13 833]

Helder Guégués às 09:45 | comentar | ver comentários (3) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «casa caramela | cal aérea»

Mais um tijolo

 

      O dicionário da Porto Editora regista, e ainda bem, a locução casa gandaresa: «tipo de edifício térreo característico da arquitectura tradicional portuguesa, geralmente construído em adobe e organizado em torno de um pátio interior, sendo a fachada exterior marcada por uma sequência de janela, porta, janela e, por vezes, portão de acesso ao pátio». Então porque não acolhe igualmente casa caramela, com tantas semelhanças? São casas — e ainda há centenas, algumas restauradas e habitadas — no concelho de Palmela, e em particular no Pinhal Novo. Casas caramelas porque os primeiros moradores, e construtores, eram caramelos, os jornaleiros que vinham da Beira Litoral para trabalhar em diversas actividades na região de Setúbal, e em especial nos arrozais do vale do Sado. Um dos materiais usados na sua construção das casas dos caramelos na região de onde provinham, a Beira Litoral, era o adobe de cal aérea — que também não está nos nossos dicionários. A cal aérea é a cal obtida de calcários puros, ou seja, carbonato de cálcio (CaCO3) com teor de impurezas inferior a 5 %, ou carbonato de cálcio e magnésio.

 

[Texto 13 832]

Helder Guégués às 09:30 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Definição: «cachafrito»

Não renegar as raízes

 

      Ontem ouvi uma boa reportagem na TSF («Terra Prometida») sobre as comunidades judaicas em Portugal. Um guia em Castelo de Vide falou de algumas tradições judaicas que vivenciou toda a vida. E falou do cachafrito, termo que, por sugestão minha, a Porto Editora dicionarizou em Março de 2018. Ora, em Castelo de Vide realiza-se anualmente o Festival do Sarapatel, do Cachafrito e outros pratos de tradição judaico-cristã. Era esta origem que eu também queria ver plasmada na definição. E a etimologia? Não nimiamente cíptica, como se podia esperar. Lembram-se de eu aqui ter falado de a palavra-passe da rede sem fios do Belmonte Sinai Hotel incluir o vocábulo «cacher»? Então vejam se é preciso ser-se génio para somar um mais um.

 

[Texto 13 831]

Helder Guégués às 09:15 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «sífilis | paresia geral»

Não estamos a falar do mesmo

 

      «Tom Hardy personifica o lendário Al Capone neste filme realizado por Josh Trank, que também assina o argumento. “Capone” passa-se durante os últimos tempos da vida do “gangster” que aterrorizou Chicago, quando este, depois de ser libertado, sofria de paresia, uma forma de demência causada pela sífilis e vivia desde 1940 com a família e os guarda-costas numa mansão numa ilha na Florida, rodeada de agentes do FBI que o vigiavam e ouviam com escutas 24 horas sobre 24» («Três filmes para ver esta semana», Eurico de Barros, Observador, 30.07.2020, 6h31).

      Parece que Capone sofria de neurossífilis. Quanto a paresia, parece-me claro que não é a que o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora regista: «paralisia parcial, leve ou temporária, que se traduz por enfraquecimento muscular». A definição do Dicionário de Termos Médicos ainda é mais incompleta e, como dizê-lo?, menos científica. Imaginar um temível pistoleiro paresiado por uma espiroqueta é redentor. Mas não: a sífilis apresenta quatro estágios clínicos (primário, secundário, latente e terciário), e só nos últimos ocorre o que se costuma designar por paresia geral — perda de memória, alterações de personalidade e da fala, irritabilidade e sintomas psicóticos. Ou seja, um quadro complexo em que nem sequer se inclui a paresia como definida naqueles dicionários.

 

[Texto 13 830]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | ver comentários (3) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «ântumo»

Mais uma clandestina de toda a vida

 

     Ela anda por aí: «Depois de algumas picardias ântumas, Wood manifestou postumamente na “New Yorker” a sua “admiração frustrada” por Bloom: apreciava no vasto corpus bloomiano algumas descobertas convincentes e uma espécie de consistência na estranheza, mas desgostava-o a terminologia abstrusa, os exageros váticos, o populismo elitista das últimas décadas» («Os últimos», Pedro Mexia, «Revista E»/Expresso, 14.03.2020, p. 62).

 

[Texto 13 829]

Helder Guégués às 08:45 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «tresleitura»

Verbo já nós temos

 

      «É certo que a sua convicção dependia de uma boa tese freudiana sobre a origem da criação literária: a literatura seria um combate edipiano entre os escritores mais novos e os escritores “fortes” mais velhos, ou mortos; um combate em que o mais novo treslia angustiada e deliberadamente o seu influente antecessor, sendo essa tresleitura uma forma de ultrapassar a angústia e uma forma inultrapassável de angústia» («Os últimos», Pedro Mexia, «Revista E»/Expresso, 14.03.2020, p. 62).

      «Mas acabou por pagar também, apesar de toda a celebridade que ninguém conseguiu roubar-lhe, a mesma factura de incompreensão e tresleitura que já vimos Régio ter pago» (Ler Régio, Eugénio Lisboa. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2010, p. 221).

 

[Texto 13 828]

Helder Guégués às 08:30 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «rastreabilização»

Para a família ficar completa

 

      «De acordo com a descrição da Hardlevel, estes óleos, designados por Smart S+, estão equipados com sonar e com dispositivos IoT (“Internet of Things”) que permitem a rastreabilização dos depósitos de forma individual e/ou por agregado familiar» («Irmãos Karmali instalam 257 oleões inteligentes no planalto beirão», Rui Neves, Jornal de Negócios, 29.07.2020, 12h24).

 

[Texto 13 827]

Helder Guégués às 08:15 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
31
Jul 20

Léxico: «contramanife»

Não me parece difícil

 

      «O presidente demissionário do Chega, André Ventura, anunciou esta quarta-feira a convocação para domingo de uma “contramanifestação” de direita em Lisboa, um dia depois das anunciadas concentrações antirracistas em homenagem ao ator Bruno Candé, baleado no sábado passado» («Ventura anuncia contramanif: “Sempre que a esquerda sair à rua para dizer que o país é racista, nós sairemos à rua para mostrar que não é”», Expresso, 29.07.2020, 17h24).

      No Expresso acham que é assim que se escreve. Enfim. Já vimos que é — e deve ser — manife. Logo, se quiserem, contramanife. E lá continuamos a ter este uso desnecessário, e até incompreensível, das aspas. Estranhamente, a Porto Editora acha que é preciso dicionarizar a forma manif — e é óbvio que o leitor precipitado, ou seja, mais de 90 %, não lê que é «Do francês manif, “idem”».

 

[Texto 13 826]

Helder Guégués às 08:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,