31
Ago 20
31
Ago 20

Léxico: «constelar»

Pois, mas está certo

 

      «Escrevo por fragmentos, porque sei que o nosso cérebro funciona assim mesmo — de forma constelar» [afirma a escritora polaca Olga Tokarczuk, galardoada com o Prémio Nobel da Literatura em 2018]» («Sempre gostei de estar comigo mesma», Luciana Leiderfarb, «Revista E»/Expresso, 8.08.2020, p. 50). Certíssimo: constelar TAMBÉM é adjectivo. Isto está em algum dos nossos dicionários? Em nenhum.

 

[Texto 13 880]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
30
Ago 20
30
Ago 20

«Cancionetista»?

Vê-se de tudo

 

      «“A permissão dada pela Câmara Municipal de Lisboa à Time Out para ocupar, ‘esplanadar’ no dialecto do promotor, o jardim da Praça D. Luís I, com o enterramento de estacas na placa ajardinada, montagem de cercas e diversas bugigangas, representa, a nosso ver, o regresso a episódios de triste memória de há uma década, quando assistimos incrédulos à cedência a privados de praças e jardins de Lisboa para eventos os mais variados, desde lançamentos de marcas de automóvel a supermercados e a espectáculos de ‘cancionetistas’”, nota o Fórum Cidadania Lx» («Ocupação de jardim em Lisboa com esplanada gera protesto», Cristiana Faria Moreira, Público, 26.08.2020, p. 17).

      Inteiramente aceptable, pero en castellano, não em português. É bem verdade que não é a primeira vez que o vejo num texto em português, mas o que é que não se vê?

 

[Texto 13 879]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
29
Ago 20
29
Ago 20

Oriente Próximo | Médio Oriente

Sempre o inglês

 

      «No Antigo Oriente Próximo, hoje designado Médio Oriente, os procedimentos funerários variavam de comunidade para comunidade e de indivíduo para indivíduo» («Descoberta a cremação humana mais antiga. Tem nove mil anos», Ana Rita Maciel, Público, 15.08.2020, p. 37).

      Já agora, não se justifica que «antigo» esteja grafado com maiúscula. Mas sim, hoje em dia designa-se por Médio Oriente, mas não é nada raro encontrar na imprensa e em algumas traduções menos cuidadas Oriente Próximo, quando por detrás está o inglês Near East.

 

[Texto 13 878]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | ver comentários (3) | favorito
Etiquetas: ,
28
Ago 20
28
Ago 20

Uma espécie de latim

Só que não é

 

      «Temos portanto que as barreiras para uma vitória democrata são mais altas do que antes e do que se costuma imaginar. A Joe Biden não basta estar à frente nas sondagens (Hillary Clinton também esteve), nem ter mais votos (idem), nem sequer ter muito mais votos (ibidem)» («E se ninguém ganhar as eleições nos Estados Unidos?», Rui Tavares, Público, 26.08.2020, p. 40).

      Para Rui Tavares, é como se idem e ibidem fossem sinónimos. Nada mais errado. E o itálico, estão a poupá-lo? Já teria uma pista a pertença destes dois termos a classes gramaticais diferentes, mas isso era se quem escreve consultasse dicionários e gramáticas.

 

[Texto 13 877]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,
27
Ago 20
27
Ago 20

Léxico: «agro-pastoralismo»

Só temos metade

 

      «Mas terá sido sempre assim? “O tratamento dado aos mortos durante a neolitização no Médio Oriente foi um processo complexo, que fazia parte de um mundo cognitivo e simbólico que tinha subjacente mudanças económicas e de dieta com a passagem da caça e recolecção para o agro-pastoralismo”, diz o artigo, acrescentado que terão coexistido várias práticas de enterramento» («Descoberta a cremação humana mais antiga. Tem nove mil anos», Ana Rita Maciel, Público, 15.08.2020, p. 37).

      O dicionário da Porto Editora não anda longe, pois acolhe o adjectivo agro-pastoril. Tanto quanto vejo, agro-pastoralismo não está registado em nenhum dicionário. E, contudo, o termo é amplamente usado em textos sobre arqueologia e aparece, de quando em quando, como foi agora o caso, na imprensa.

 

[Texto 13 876]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
26
Ago 20
26
Ago 20

Como se escreve por aí

Por sorte, advogado

 

      «É legítimo pensar que Rui Rio ainda estivesse empolgado pelos resultados nas recentes sondagens, as quais davam 7% na intenção de voto ao Chega, em igualdade com o Bloco de Esquerda (e uns anímicos e confrangedores 26% ao PSD), ou que não seja justo colocar no mesmo saco quem nega e quem nunca viu aquilo que dois em cada três portugueses admitem e reconhecem» («A grande farsa», Nuno Pimentel Gomes, militante social-democrata e advogado, Público, 21.08.2020, p. 8).

      Por sorte, é advogado e não jornalista. Confundir «anímico» com «anémico» é absolutamente lamentável. A propósito, no dicionário da Porto Editora (e noutros), em anémico não estão registados os sentidos figurados, e já sabemos quão necessitados de amparo estão os falantes. É como eu digo, um trabalho infindável.

 

[Texto 13 875]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito
25
Ago 20
25
Ago 20

Tradução: «season»

Ou nem pensou

 

      «Tem sono enquanto começa a ler este Expresso Curto? Apetece-lhe murmurar “I can’t seem to focus”, como Billie Eilish ontem na convenção do Partido Democrata? Joe não. Joe, claro, é Joseph R. Biden III, o homem que aceitou esta madrugada (hora portuguesa) a nomeação como candidato a presidente dos Estados Unidos da América, prometendo “puxar pelo melhor que temos” e “ultrapassar esta estação de trevas”, em referência ao mandato de Donald Trump» («O futuro dela é o nosso», Pedro Cordeiro, Expresso Curto, 21.08.2020).

      «United we can, and will, overcome this season of darkness in America», disse Biden. Como nos dicionários bilingues a primeira palavra correspondente a season é «estação», o jornalista não pensou duas vezes. Pois, mas traduz-se por era de trevas, época de trevas. (Ah, sim, também traduziria o título “Une Saison en Enfer”, de Arthur Rimbaud, por «Uma Temporada no Inferno».)

 

[Texto 13 874]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
24
Ago 20
24
Ago 20

Léxico: «unanimizar»

Até soa melhor

 

   Sandra Dias Fernandes, professora de Ciência Política na Universidade do Minho, no Jornal 2 da semana passada, usou o verbo unanimizar. Nos dicionários, só temos unanimar, que, valha a verdade, é muito menos eufónico e até susceptível de se confundir com inanimar — que, diga-se muito a propósito, também não está dicionarizado.

 

[Texto 13 873]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,