Léxico: «panadeira»

Inesgotável

 

      «Aqui e ali, vamos vendo homens com canas de pesca, encavalitados sobre as falésias ou em pequenos barcos nas enseadas. Vê-se um sargo a caminho da geleira. No porto da Baleeira, há meia dúzia de canejas a secar ao sol, penduradas nos cabos de electricidade junto ao ISN. O barco de Casimiro Conceição é o último do dia a chegar à lota. Traz “uns 80 ou 90 quilos de tamboril, uma panadeira grande, três ou quatro pargos, quatro ou cinco quilos de lagosta e umas quantas buzinas”. Podia ter sido melhor, mas está “dentro das normalidades”, conta o capitão, de 58 anos de idade e 43 de profissão» («Em Sagres, tudo é mais agreste, natural, verdadeiro», Mara Gonçalves, «Fugas»/Público, 8.08.2020, p. 5).

      «Queria pesquisar manadeira?», pergunta a Porto Editora. É mesmo panadeira (Lophius piscatorius), que tem tantos sinónimos, que nem os dicionários dão conta deles.

 

[Texto 13 948]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,