14
Set 20

Léxico: «instantaneísmo»

Anda por aí

 

      «O bufanismo é uma estratégia, mas não é uma estratégia clássica de organização social e política, exatamente porque atua e se nutre da modernidade líquida, do instantaneísmo» («A estratégia do bufão», Francisco Louçã, «Revista E»/Expresso, 15.08.2020, p. 39).

 

[Texto 13 957]

Helder Guégués às 10:45 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «periquito»

Avezinhas indefesas

 

      Não sei se era assim em todas as frentes, mas durante a Guerra Colonial, na Guiné, chamavam periquitos aos novatos, aos soldados que chegavam de novo pra render os outros. Nos dicionários, nada. (No caso do dicionário da Porto Editora, até faltam várias outras acepções a periquito.) Então, e a qualquer recruta não é dado o nome de maçarico? São sempre avezinhas indefesas.

 

[Texto 13 956]

Helder Guégués às 10:30 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «vexa»

Vão adivinhar?

 

      Ontem de madrugada, no CanalSur, falavam do poço de neve (pozo de nieve) de Dos Torres (município que nasceu no século XIX da união de Torremilano e Torrefranca), em Córdova. O mais interessante, porém, foi lembrarem o gentílico dos naturais de Dos Torres — usía —, que é uma forma arcaica de tratamento semelhante ao usted no castelhano antigo, de vuestra señoría (useñoría → usiría → usía). Claro que encontramos tudo isto nos dicionários do país vizinho. Lembrei-me então do nosso V. Exa. (ou V. Ex.ª), telegraficamente escrito vexa. Se o digitarmos assim no dicionário em linha da Porto Editora, que resultado nos devolve? O verbo «vexar». Decerto, «vexa» não passa de uma forma verbal — mas como ficam os falantes que não sabem e procuram a resposta num dicionário?

      Se está escrito correctamente, o falante chega à compreensão. Mas se não estiver, o que se vê em tantos e tantos textos, como é? «Talvez Vexa desconheça que Sartre glosou este tema» (Crónicas do Reino, Rui de Brito. Lisboa: Liber, 1975, p. 26).

 

[Texto 13 955]

Helder Guégués às 10:15 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Sobre «assembleia geral»

Um dos muitos erros

 

      «FIFA anula assembleia-geral da Federação da Costa do Marfim sobre eleições com Drogba» (Record, 23.8.2020, 17h48). Isto — já legitimado, erradamente, pelo dicionário da Porto Editora e por outros — NUNCA aparecerá em texto saído das minhas mãos. (Se aparecer, é porque foi o editor à minha revelia.) Está errado, sim, Porto Editora, e está errado porque nos muitos compostos em que entra o elemento -geral este significa SEMPRE que este está numa hierarquia, que é o principal. Isto aplica-se a algum tipo de assembleia? NÃO.

 

[Texto 13 954]

Helder Guégués às 10:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Sobre «congolês/conguês»

Esclarecer, mas não empatar

 

      «D. João II, como vimos, inicia a missionação do povo conguês e procura realizar a assimilação deste pelo trabalho de missionários e de colonos, que seguem para o Congo na armada de Rui de Sousa» (A Acção dos Portugueses no Antigo Reino do Congo (1482-1543), Carlos Alberto Garcia. Lisboa: Agência-Geral do Ultramar, 1968, p. 85).

      Quem é que, hoje em dia, usa o termo conguês? Contudo, é, de longe, preferível a congolês, adaptação desnecessária do francês congolais, e o único usado até meados do século XX. Ainda que os dicionários sejam repositórios dos vocábulos que se usaram (cada vez fazem menos isto, erradamente) e dos que se usam (mas sempre com muita resistência), quer sejam de aceitar, quer não, também se impõe esclarecerem o falante. Só não devemos querer impor à viva força modos de dizer que não pegaram, que estão esquecidos, ultrapassados, por muito correctos que sejam. A este propósito, vem-me sempre à mente o caso de Pompeia, que é forma inexacta de Pompeios. O uso manda muito.

 

[Texto 13 953]

Helder Guégués às 09:45 | comentar | favorito

Léxico: «peseira»

Com os pés

 

      Eis uma cama hospitalar articulada eléctrica. A cabeceira e a peseira, desmontáveis, são de aglomerado e melamina de faia, descreve o vendedor. Ora, para a Porto Editora, peseira é apenas «1. peça, geralmente retráctil, própria para pousar os pés (em motociclo, bicicleta, etc.); pousa-pés; 2. manta usada aos pés da cama». Esta parte, os invejosos podem saltá-la: peseira, na primeira acepção, fui eu que a levei, já em Abril de 2017, para o dicionário.

 

[Texto 13 952]

Helder Guégués às 09:30 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «brezel | bretzel | pretzel»

Por todo o lado

 

      Ora nos aparecem sob o nome bretzel (e está bem), ora pretzel ou brezel (e também está bem — ou, como diria o historiador Rui Tavares, idem e ibidem). Em pastelarias e supermercados de norte a sul. O que esperas, Porto Editora? Está em dicionários bilingues da Porto Editora. No de inglês-português, pretzel não tem correspondente em português (bela ajuda), apenas definição: «CULINÁRIA (biscoito salgado) rosquilha». No de francês-português, a bretzel também não fazem corresponder nenhum termo português, apenas a definição: «biscoito salgado em forma de oito». No de alemão-português, Brezel também só tem definição: «rosquilha». Em forma de 8 ou de B, sim — ou de nó ou bracelete (daí a possível etimologia latina, bracellus), e salgado ou doce. Tem é de estar nos dicionários, pois já faz parte do nosso mundo. É escusado dizer que a forma que mais se conforma ao nosso idioma é brezel.

 

[Texto 13 951]

Helder Guégués às 09:15 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
14
Set 20

Léxico: «boa-cubana»

Essa é boa

 

      «Uma boa cubana (Chilabothrus angulifer) do Zoo da Maia também se reproduziu em 2013 e 2017, apesar de não estar em contacto com qualquer macho da sua espécie desde 2006, quando o seu parceiro morreu. Na coleção do zoo desde 1999, o caso desta cobra intrigou investigadores portugueses e espanhóis, que acabaram por concluir que este será o primeiro caso registado de uma reprodução por partenogénese nesta espécie» («Cobra do Zoo da Maia teve crias por duas vezes sem contactar com machos», Gonçalo Teles, TSF, 11.09.2020, 21h08, itálico meu).

 

[Texto 13 950]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,