15
Set 20

Léxico: «arrelhada | arrilhada | arrolhada»

Até na lei

 

      «Em cima da pedra, o truque consiste em detectar o marisco, avaliar o tempo de chegada da onda, meter a arrilhada (o ferro em forma de formão) para arrancar a pinha de percebes e fugir rapidamente pedras fora» («Para apanhar percebes, “o mais importante é saber ler o mar”», Edgardo Pacheco, «Fugas»/Público, 7.08.2020, p. 4). Ou arrelhada, como se lê aqui e ali, assim como arrolhada. Nenhuma das variantes está no dicionário da Porto Editora. Pois é... A Portaria n.º 1102-B/2000, de 22 de Novembro, descreve-a assim: «utensílio constituído por uma lâmina romba, de forma aproximadamente rectangular, montada num cabo ou adaptada para se prender ao braço». No OLX, havia um anúncio que rezava assim: «Arrilhadas para percebes, ou arrolhadas, ou argolhadas! Com as medidas legais para não haver problemas nem stress. Medidas do cabo: 40 cm. Medidas da lâmina: 3 cm. Lâminas de ferro para não estragar as rochas nem cortar os percebes.»

 

[Texto 13 965]

Helder Guégués às 10:45 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «cochevi | galgador | palheto»

Ferramentas ignoradas

 

      Nuno Pereira, num dos episódios de Olhá Festa, na SIC, visitou em Gestaçô, entre a serra da Aboboreira e o rio Douro, o artesão Eduardo Cardoso, um dos poucos que ainda se dedicam ao fabrico das famosas bengalas. Ao falar das ferramentas que utiliza, disse o artesão: «Isto aqui chamam-lhe cochevi.» Trata-se de um pequeno formão em V. Está nos dicionários? Não está. Como não estão outras ferramentas: galgador, palheto, etc.

 

[Texto 13 964]

Helder Guégués às 10:30 | comentar | ver comentários (3) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «toucinheira | canebeque»

Mas depois aparecem por aí

 

      Na Mesa Nacional, a rubrica integrada no Jornal das 8 na TVI, com Paulo Salvador, no dia 25 de Agosto falou-se da toucinheira, o instrumento de ferro ou madeira usado para pendurar presuntos e toucinhos. Também foi referido que a variedade da bata branca utilizada no cozido era a canabeque (ou canebeque) — aportuguesamento de Kennebeck. Algum dicionário regista isto? Nenhum.

 

[Texto 13 963]

Helder Guégués às 10:15 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «internacionalismo»

Acepção fora dos dicionários

 

      «A palavra “racismo” terá entrado em português no século XX, proveniente do francês, com atestação de 1902, na sequência da exploração política da noção de “raça”, diz-nos o Dictionnaire Historique de la Langue Française; já o Oxford English Dictionary indica-a como tendo sido cunhada em 1902 pelo general norte-americano Richard Henry Pratt. “Racismo” é um internacionalismo, i.e. tem palavras cognatas (com a mesma origem e estrutura) em diversas línguas. A Infopédia propõe três aceções para “racismo”: “teoria sem quaisquer fundamentos científicos que defende a existência de uma hierarquia entre grupos humanos, definidos segundo carateres físicos e hereditários como a cor da pele, atribuindo aos grupos considerados superiores o direito de dominar ou mesmo suprimir outros considerados inferiores”, “atitude preconceituosa e discriminatória contra indivíduos de determinada(s) etnia(s)” e “sistema político ou social que promove a discriminação de determinada(s) etnia(s) ou grupo(s)”. Sobressai o pedagogismo do lexicógrafo, ao explicitar que o racismo, enquanto teoria, não tem fundamento científico e, enquanto atitude, é preconceituoso. Afinal, os dicionários são também recursos pedagógicos» («Que nos contam as palavras “racismo” e “xenofobia”?», Margarita Correia, Diário de Notícias, 25.08.2020, 9h43, itálicos meus).

 

[Texto 13 962]

Helder Guégués às 10:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «praxiológico»

Verifica tu

 

      «Assim, do ponto de vista do eixo praxiológico, o autor calvinista revela uma aproximação total e, consequente, adesão relativamente ao nativo brasileiro» (A Alteridade na Literatura de Viagens Quinhentistas, Ana Lúcia Vieira. Lisboa: Edições Colibri, 2008, p. 128).

      «A palavra pesquisada não foi encontrada neste dicionário. Verifique se a palavra ou expressão introduzidas estão bem escritas e pesquise novamente.»

 

[Texto 13 961]

Helder Guégués às 09:45 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «hemato-químico»

Registe-se tudo

 

      «“Podemos ver que o quadro clínico está em constante mudança para melhor. Todos os parâmetros clínicos e hemato-químicos são tranquilizadores”, refere a informação do chefe dos Cuidados Intensivos Gerais e Cardiovasculares no Hospital IRCCS San Raffaele e médico pessoal para o líder da Forza Itália, Alberto Zangrillo» («Berlusconi diz que está a lutar contra “doença infernal”», Rádio Renascença, 9.09.2020, 00h13).

 

[Texto 13 960]

Helder Guégués às 09:30 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «fosfina»

Fora dos principais dicionários

 

       «Uma equipa internacional de astrónomos anunciou, esta segunda-feira, que foi identificada na atmosfera Vénus uma molécula rara — a fosfina — indicadora da existência de vida» («Sinais de vida em Vénus? Astrónomos detetam molécula rara nas nuvens do planeta», Rádio Renascença, 14.09.2020, 16h16).

 

[Texto 13 959]

Helder Guégués às 09:15 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
15
Set 20

Léxico: «baleia assassina»

Só nos mares

 

      «Nos últimos dois meses, conta aquela publicação britânica, vários marinheiros enviaram pedidos de auxílio após encontros preocupantes com orcas, comummente chamadas de baleias assassinas. O mais recente ocorreu na sexta-feira, ao largo de A Corunha, no norte da Galiza» («Baleias assassinas atacam barcos na costa de Portugal e Espanha», A. C., Jornal de Notícias, 13.09.2020, 20h49).

      Nos nossos dicionários é que não há baleias assassinas — só nos mares.

 

[Texto 13 958]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,