08
Out 20

Léxico: «radioncologista»

Ir até ao fim

 

      Então, é simples: radioncologia, radioncológico — «Fiz o exame às 18h00 e voltei a ter consulta na manhã seguinte, desta vez com o Dr. Guillaume Pauvel, radioncologista, em conferência com o Dr. Nuno Gil» (Nunca Te Distraias da Vida, Manuel Forjaz. Alfragide: Oficina do Livro, 2014).

 

[Texto 14 112]

Helder Guégués às 10:45 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «gazebo»

Estrutura, mas não só de tijolo

 

      Na Leroy Merlin, estão à venda gazebos para jardim. Como é evidente, a definição do dicionário da Porto Editora tem de ser ampliada: «estrutura coberta, geralmente aberta dos lados, edificada em parques ou jardins para fornecer sombra e abrigo». A definição leva-nos a crer que se trata de edificações, estruturas de betão ou tijolo. Pois não. Não todos.

 

[Texto 14 111]

Helder Guégués às 10:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «necropolítica»

Só isto

 

      «Resta-lhes, a um e a outro, como aos seus imitadores, o passo seguinte na luta pela sobrevivência do poder, o refúgio na necropolítica, e essa é uma ameaça que a pandemia já começou a revelar» («A estratégia do bufão», Francisco Louçã, «Revista E»/Expresso, 15.08.2020, p. 39).

 

[Texto 14 110]

Helder Guégués às 09:45 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «balizador»

Uma, concreta

 

      «Outros contratos há no portal BASE, também nestes últimos dois anos, adjudicados a empresas como a Hipólito Bettencourt, a Studio Noronha Feio ou a Nadia Sinalização, seja para “execução de ciclovias”, seja para “desenvolvimento e consolidação de projetos” ou “instalação de balizadores flexíveis em poliuretano”. A totalidade do investimento supera, desta feita, o valor de 58 mil euros» («As polémicas ciclovias de Lisboa. “A Câmara quer ser ‘verde’ e ecológica à força”», Tiago Palma, Rádio Renascença, 4.08.2020, 7h00).

      Uma concretíssima acepção, só para não ficarmos pelo vaguíssimo «que ou aquele que baliza». Tão concreta, que de quando em quando até os atropelamos. Bem, no meu caso só me aconteceu uma vez, e nem sequer o danifiquei.

 

[Texto 14 109]

Helder Guégués às 09:30 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «micromorfologia | micromorfológico»

Outro par

 

      «O poço, em forma de U, apresentava 80 centímetros no seu maior diâmetro e 60 de profundidade. Através de uma análise micromorfológica dos sedimentos, percebeu-se que a parede, com dois centímetros de espessura, tinha sido rebocada com um material à base de argila, molhado na altura da aplicação e, posteriormente, queimado, chegando a atingir 700 graus Celsius» («Descoberta a cremação humana mais antiga. Tem nove mil anos», Ana Rita Maciel, Público, 15.08.2020, p. 37).

 

[Texto 14 108]

Helder Guégués às 09:15 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «monovolume»

Outra acepção

 

      «O primeiro Grande Prémio de Portugal de F1 aconteceu nas estradas da Rua da Boavista, no Porto, em 1958, numa altura em que eram os fardos de palha que amparavam as curvas mal medidas dos pilotos. A vitória foi para Stirling Moss. Casimiro de Oliveira (irmão de Manoel de Oliveira (1958) ainda esteve inscrito, mas não saiu da grelha de partida. Tinha sido o primeiro português a conduzir um monovolume num treino, mas já não competia há três anos e optou por não se fazer à pista depois de dar umas voltas ao circuito da Boavista com um Maserati 250F alugado. [...] Esse seria também o último Grande Prémio português. A história também se fez de coisas más como as pressões políticas e a indefinição sobre se o circuito ia ou não estar pronto para receber os monovolumes» («Dos fardos de palha à vitória de Senna no Estoril», Isaura Almeida, Diário de Notícias, 8.08.2020, p. 34-35).

      Não é acepção de monovolume que se veja em qualquer dos nossos dicionários. Querem comentar?

 

[Texto 14 107]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «logomania»

Não é a verborreia

 

      «Dior sobrevive, perfeita e adequadamente,  às mutações imaginativas e à sucessão dos vários directores artísticos, na  actualização permanente do seu  estilo, ao ponto de na viragem do século, o seu logo alcançar o estatuto de uma verdadeira paixão, integrando-­se na tendência, então, reminiscente da logomania ou o culto do logo: de J’adore Dior a I Love Dior, Addict é o aditamento que se substitui ao próprio logo e se torna numa expressão de identidade incondicional. Addict é  “fashionable” e  significa,  pela sonoridade e uso recorrente, “on fashion”, ou seja, inequivocamente “addict”» («Da Logomania (Tendências e Dominâncias)», Margarida Anjos Amaro, Livro de Actas – 4.º SOPCOM, p. 1855).

 

[Texto 14 106]

Helder Guégués às 08:45 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «amordentar»

Não ladra, mas morde

 

      No dia 1 de Agosto, uma das convidadas do programa Férias Cá Dentro, na RTP1, foi a artesã têxtil Olga Rego, que reside em Castelo de Vide. Ao explicar as técnicas que usa nos seus trabalhos com lã de ovelha, disse que o tecido é amordentado, ou seja, molhado no mordente para fixar as cores. Tal pressupõe um verbo, «amordentar», que não temos. Diga-se, já agora, que mordente está muito mais bem definido no Dicionário da Real Academia Espanhola do que nos nossos dicionários: «Sustancia que en tintorería y otras artes sirve para fijar los colores o los panes de oro.»

 

[Texto 14 105]

Helder Guégués às 08:30 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «capinadeira»

Umas vezes sim, outras não

 

      Numa destas manhãs, na Antena 1, um ouvinte disse que usava uma capinadeira em África. Para a Porto Editora, capinadeira é a «máquina agrícola usada para limpar um terreno de mato, ervas daninhas, etc.». Não fazem a coisa por menos, é logo uma máquina. Já vimos este erro em relação a outras alfaias e instrumentos. Há capinadeiras que são alfaias e há capinadeiras que são simples ferramentas agrícolas, como um ancinho ou uma forquilha. Em Moçambique, também se dizia capinadeira a pessoa que come tudo, limpando bem o prato.

 

[Texto 14 104]

Helder Guégués às 08:15 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
08
Out 20

Léxico: «ródio | Ródios»

Não é o elemento químico

 

      «Mas os ródios, em linha de atiradores, e os cretenses responderam, e na multidão densa do inimigo não perderam um tiro» (A Retirada dos Dez Mil, Xenofonte. Tradução de ‎Aquilino Ribeiro. Lisboa: Livraria Bertrand, 1960, p. 153).

 

[Texto 14 103]

Helder Guégués às 08:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,