16
Out 20

Léxico: «filo-semita | filo-semitismo»

Agora é esta

 

      «Um judeu, em Portugal, era alguém de outra religião e cultura, mas não pertencia a uma “raça” à parte, como para os nazis. Mas, não sendo um anti-semita racial, Salazar também não foi um filo-semita, nem apoiou directamente os refugiados, nem estes “foram acolhidos, alimentados e apoiados” por ele, como alega “A”» («A versão falseada sobre Aristides de Sousa Mendes na Wikipédia», Irene Flunser Pimentel, «P2»/Público, 21.06.2020, p. 13). «No entanto, o nosso final do século XIX foi bem diferente do francês e podemos afirmar que, à falta da publicação de livros e jornais ou revistas assumidamente anti-semitas, as manifestações literárias ao nível da ficção projectam uma imagem globalmente filo-semita do judeu» (Portugal e os Judeus: Do Ressurgimento das Comunidades Judaicas à Primeira República, Jorge Martins. Lisboa: Vega, 2006, p. 183). No dicionário da Porto Editora, só filocomunista, que lá chegou em 2017 pela minha mão.

 

[Texto 14 164]

Helder Guégués às 09:45 | comentar | ver comentários (3) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «macaco-capuchinho-de-peito-amarelo»

Esta vem do zoo

 

      «Em 2019, nasceram crias de 25 espécies, designadamente coala, leopardo-da-pérsia, tigre-da-sibéria, lémure-preto-e-branco-de-colar, macaco-capuchinho-de-peito-amarelo, pinguim-do-cabo, etc.» («Jardim Zoológico. Muito mais do que uma coleção de animais», Teresa S. Frederico, Diário de Notícias, 8.08.2020, p. 28).

 

[Texto 14 163]

Helder Guégués às 09:30 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «boca»

Faltam muitas acepções

 

      Sim, em boca, faltam muitas acepções no dicionário da Porto Editora. Vai uma: «Passando o pequeno bosque, o trilho leva os visitantes até ao moinho de marés preservado no parque e à sua caldeira. Neste momento, a maré está baixa, pelo que é possível ver as pradarias marinhas (Zostera noltii) que cobrem parte do solo. E os caranguejos conhecidos como “bocas” (Uca tangueri), com o seu aspecto característico: os machos têm uma das pinças desproporcional, que agitam permanentemente no ar, tentando cativar as fêmeas» («Esteja atento ao areal, a riqueza da ria está debaixo dos seus pés», Patrícia Carvalho, Público, 10.08.2020, p. 15).

 

[Texto 14 162]

Helder Guégués às 09:15 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «churrasqueiro | míni»

Churrasqueiro com experiência (m/f)

 

      «Aproximamo-nos da zona industrial da Maia, e Samuel Barros prepara-se para fazer uma das coisas de que mais gosta: ir a uma loja de acessórios de barbecue. “Sou viciado. Uma pessoa entra ali e quer comprar tudo”, diz o presidente da Associação Portuguesa de Churrasqueiros (APC), contornando mais uma rotunda, na sua carrinha de dois lugares» («Churrasco. O delicioso reduto do Homo erectus e da mini», Ricardo Dias Felner, «Revista E»/Expresso, 1.08.2020, p. 78, itálicos meus).

 

[Texto 14 161]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «ferulizar | ferulização»

Não estavam lá

 

      A mulher do leitor *** foi ontem ao dentista para a última de uma série de intervenções. O dentista — sobretudo agora, com toda a gente amordaçada — nada disse, mas na factura, mais faladora, lá vinha: «ferulização com resina composta sem meios de reforço». Os nossos dicionaristas não foram ao dentista.

 

[Texto 14 160]

Helder Guégués às 08:45 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,

Acentuação: «Tessalonica»

Inexacta, a acentuação

 

      «Fugindo à inundação, alguns moradores fixaram-se na zona alta e teriam, talvez pelo século VI, erigido um templo a uma mártir venerada no Oriente: Santa Iria (ou Irene ou Ereia, que é tudo o mesmo), que segundo dizem os martirológios, morreu em Tessalonica, em 304» (Itinerário Português: o Tempo e a Alma, José H. Saraiva. Lisboa: Gradiva, 1987, p. 230).

      Tessalonica, exactamente: e não ensina Rebelo Gonçalves que «Tessalónica» é acentuação inexacta? Então, porque usa e recomenda a Porto Editora a forma menos correcta?

 

[Texto 14 159]

Helder Guégués às 08:30 | comentar | favorito

Léxico: «estrangular | esganar | enforcar»

Que trapalhada para aí vai

 

      «A defesa de Rosa levanta várias hipóteses pela primeira vez. “Qual dos dois estrangulou ou esganou Luís Grilo? Perante tamanha dúvida será despiciendo e ilógico colocar na cena de crime uma terceira pessoa?”, lê-se no recurso, a que o CM teve acesso» («“Qual dos dois estrangulou ou esganou Luís Grilo?», Correio da Manhã, 15.10.2020, p. 12).

      Boa pergunta — também para os dicionaristas, que misturam os conceitos. Paradigmática é a confusão do que é inconfundível no verbete do verbo estrangular no dicionário da Porto Editora: «apertar o pescoço a alguém, provocando a supressão brusca da respiração; esganar; enforcar». Falem com um jurista, de preferência com um penalista.

 

[Texto 14 158]

Helder Guégués às 08:15 | comentar | ver comentários (1) | favorito
16
Out 20

Definição: «parlatório»

Para aí nenhum

 

      «Segundo garantiu ao CM fonte da Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais, “as visitas aos reclusos decorrem nos parlatórios que foram adaptados com separadores, sendo que visitantes e visitados estão obrigados ao uso de máscara”» («Sousa Cintra foi visitar filho preso», Rui Pando e Miguel Curado, Correio da Manhã, 14.10.2020, p. 18).

      No dicionário da Porto Editora, em parlatório remete-se (será boa ideia?) para locutório, onde se lê: «espaço separado por grades, através das quais as pessoas recolhidas em conventos ou mantidas em prisões podem falar com quem as procura; parlatório». Ainda gostava de saber ao certo quantos parlatórios de estabelecimentos prisionais em Portugal têm grades. O meu palpite é de que serão zero.

 

[Texto 14 157]

Helder Guégués às 08:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito