Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Léxico: «cirurgião-chefe»

Mais um chefe

 

      «Musk não avançou um calendário para iniciar os ensaios clínicos, parecendo revogar declarações anteriores em que garantira que os testes em humanos iam começar no final deste ano. Segundo Matthew MacDougall, cirurgião-chefe da equipa da Neuralink, os primeiros ensaios clínicos com um reduzido grupo de humanos terão como objetivo tentar curar paraplégicos e outros tipos de paralisia» («“Como um Fitbit no cérebro”. Empresa de Elon Musk implanta chips em cérebros de porcos», Rádio Renascença, 29.08.2020, 17h08).

 

[Texto 14 423]

Os Silvas

Assim é que é

 

      «Os Silvas, Uma Família Confinada, é o novo espetáculo do Teatro Meridional, em Lisboa, com encenação de Miguel Seabra e texto de Mário Botequilha» («Os Silvas Estão Confinados», Carlos Barreto, TSF, 27.11.2020, 8h00, itálico meu).

      Só por usarem bem o plural no apelido, Silvas, já merece ser vista — e é o que vou fazer, se conseguir bilhete.

 

[Texto 14 420]

Léxico: «diassistema | jogo da xona | picachão | jogo do bete»

E «diassistémico»

 

      «Uso a palavra xurdir porque ela transporta um vento leonês e esse vento anima o vocabulário de que ele, com frequência, se reclamava. Numa revista com esse título, o sócio-linguista [sic] Xavier Frias Conde explicou, há tempos, o modo como esse diassistema se espalha por parte de Espanha e de Portugal, puxando para sul, na linha da “fronteira simbólica”, ressonâncias mirandesas. [...] Numa magnífica entrevista de há quase vinte anos, Maria Augusta Silva disse-lhe que já em criança ele revelava um olhar de pensador (e referia-se certamente a uma imagem dele recortada pelo granito da casa de São Pedro de Rio Seco). Mas, acrescentou a jornalista, sempre que o via tinha a sensação de que o apanhava a jogar ao berlinde e ao pião. E ele: “Olhar de pensador é uma metáfora audaciosa. Um olhar de curiosidade, sim, como o de todas as crianças. Tive uma infância banalíssima, vivida com as coisas próprias de uma aldeia isolada no espaço e no tempo. Brincávamos ao jogo da xona (noutros sítios chama-se bilharda) e ao picachão. E ao jogo do bete, parecido com o basebol, só que a bola era de madeira de um freixo. Jogava-se basebol na minha aldeia!”» («Jogo da xôna na aldeia fantasma», Fernando Alves, TSF, 2.12.2020, 8h50).

 

[Texto 14 419]

Léxico: «elódea»

Estávamos aqui a falar

 

      Está bem, é do Canadá, mas foi introduzida na Europa. Estamos aqui a falar da elódea (E. densa e Elodea canadensis), Porto Editora. Ah, sim, perdida num bilingue, Wasserpest. E ainda nos faltam, ah pois, os psicoestimulantes (só tens uns muito mais estranhos psicostimulantes).

 

[Texto 14 418]

Ter pagado e ter pago

Ou deixe-se ir

 

      «A construtora brasileira Odebrecht terá pagado alegadas luvas de mais de dois milhões de euros ao ‘Príncipe’, nome de código de um cidadão português, através de um suposto testa de ferro do BES e amigo de Ricardo Salgado» («Testa de ferro do BES acolhe luvas do ‘Príncipe’», António Sérgio Azenha, Correio da Manhã, 28.11.2020, p. 4). Está certíssimo, mas cada vez se ouve e lê mais «ter pago». O meu corrector ortográfico, porém, ainda diz «corrija a forma de particípio passado».

 

[Texto 14 417]

Léxico: «radiotelescopia»

Não é desculpa

 

      «O radiotelescópio mais famoso do mundo, no Observatório de Arecibo, colapsou na manhã de terça-feira. Criado há quase seis décadas, o telescópio, nas colinas de Porto Rico, tinha sido desligado na semana passada devido a riscos na estrutura» («“Estrutura icónica para a ciência.” Colapsou radiotelescópio gigante de Arecibo», Cristina Lai Men com Francisco Nascimento, TSF, 2.12.2020, 11h44). Não és a única, Porto Editora, que não regista o vocábulo radiotelescopia, mas isso não é desculpa.

 

[Texto 14 416]