Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Léxico: «tigrínio | Tigrínios»

Também desaparecidos

 

      «Os tigrínios temem a vingança pelos seus anos no poder, a queda das suas elites. Os amaras não esquecem que dominaram o país desde os tempos da Abissínia, glorificada como o único império africano que sobreviveu ao colonialismo europeu» («Etiópia. Um mosaico de etnias que está a estilhaçar», João Campos Rodrigues, Sol, 28.11.2020).

 

[Texto 14 495]

Léxico: «geez»

Há cem anos

 

      «Dá uma ordem em geez e os companheiros seguram os animais para os manter quietos, aguardando em silêncio e imóveis» (O Espião de D. João II: na demanda dos segredos do Oriente e do misterioso reino do Preste João, Deana Barroqueiro. Lisboa: Ésquilo, 2009, p. 442).

      Há cem anos, estava nos dicionários. Actualmente, ainda em uso, evidentemente, desapareceu dos dicionários.

 

[Texto 14 494]

São João-o-Divino

Tinha de ir para a errada

 

      «Um homem armado com duas pistolas abriu fogo nas escadarias da Catedral de São João o Divino em Nova Iorque, no domingo à noite, e só a rápida intervenção de três polícias que estavam no local conseguiu evitar o que poderia ter sido um banho de sangue. O atirador foi morto a tiro antes de conseguir acertar em alguém, desconhecendo-se, para já, os motivos por detrás do seu ato» («Atirador abatido após disparar em catedral», Ricardo Ramos, Correio da Manhã, 15.12.2020, p. 33).

      Há duas formas de escrever isto correctamente — o jornalista tinha logo de ir para uma terceira, errada. Podia ser São João, o Divino, ou São João-o-Divino (como dantes se escrevia com frequência). Tratando-se do nome de um edifício, porque é isso, eu optaria por esta última forma.

 

[Texto 14 493]

Léxico: «contrapiso»

Também no Brasil

 

      «Para o reboco, passou a trabalhar com argamassa projetada e para o contrapiso, aprimorou a técnica do contrapiso autonivelante, existente na Europa desde a década de 1940 e no Brasil desde 1999» (Bússola de Gestão para a Construção Civil, Tânia Belmiro (org.). Rio de Janeiro: Brasport, 2018, p. 163).

 

[Texto 14 492]

Léxico: «esbaldar-se»

Usada no Brasil

 

      «Esse palácio já foi moradia oficial de vários presidentes, como João Goulart, general João Figueiredo (criava cavalos lá) e Lula. O petista usava as dezenas de churrasqueiras do sítio para oferecer festas nos finais de semana aos ministros mais chegados. Seus filhos levavam amigos para esbaldarem-se nas piscinas do Torto. Pouco mudou» («Churrascos», Germano Oliveira, IstoÉ, 16.04.2020, p. 18).

 

[Texto 14 491]

Como se escreve por aí

Com fluidez e descuido

 

      Outro erro que até em textos revistos encontro frequentemente: «Portugal já realizou mais de quatro milhões de testes à Covid-19. Existem vários e para todos os gostos, mas o mais comum, mais fiável e mais eficaz continua a ser o de zaragatoa nasofaríngea e que envolve retirar fluídos no espaço entre a parte superior da garganta e a parte posterior do nariz» («Porque existem testes de zaragatoa que doem mais que outros?», Diogo Camilo, Sábado, 18.11.2020, 18h09).

 

[Texto 14 490]

Léxico: «radiocontrolar»

Pois, mas usa-se

 

      Já viram o novo Citizen Pilot? Recebe, «via ondas de rádio, o sinal gerado por um relógio atómico. A sua precisão é absoluta, com um desvio de 1 segundo por cada 10 milhões de anos». É, pois, um relógio radiocontrolado, como a própria publicidade realça. Ora, tratando-se de um particípio passado, pressupõe a existência do verbo radiocontrolar. Pois, não gosto nada de «controlo» (em todos os sentidos), mas se existe... Não está nos dicionários, e, contudo, no Dicionário de Alemão-Português da Porto Editora tropeçamos num Funkuhr, «relógio radiocontrolado». Ah, pois, convém ir mantendo os olhos abertos.

 

[Texto 14 489]

Léxico: «telúrico»

Nenhuma das três

 

      «Por ser um planeta telúrico, semelhante quanto ao tamanho, massa e composição da Terra, havia grandes esperanças [de] que Vénus fosse uma espécie de “irmão”. Graças à Venera 7, os soviéticos descobriram que estava longe disso» («Os russos dizem que Vénus lhes pertence. Tudo por causa do que aconteceu há 50 anos», Carolina Rico, TSF, 15.12.2020, 6h20, itálico meu).

      Esta acepção de telúrico não é nenhuma das três que o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora regista.

 

[Texto 14 488]