Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Tradução: «driveway»

Há dificuldades maiores

 

      «A história é simples: um SUV da marca Lexus arranca e no passeio em frente à casa (a tal driveway para a qual não encontro tradução em português), lê-se pintado em giz “we’re all in this together”, o maior clichê publicitário de 2020» («Os riscos de não arriscar», João Coutinho, «Dinheiro Vivo»/Diário de Notícias, 2.01.2021, p. 23).

      Faz lembrar o homem que foi ao médico com queixas de dificuldade em levantar uma perna. «Veja, veja, senhor doutor, não consigo sequer fazer isto» — e levanta a perna com toda a facilidade. Há casos em que essa dificuldade é bem maior. Por exemplo, legacy, que vi já esta semana, no sentido de «candidate for membership in an organization (such as a school or fraternal order) who is given special status because of a familial relationship to a member». O que não se pode é estar sempre à espera de encontrar um só termo em português que corresponda perfeitamente — pois há inúmeros termos que não têm correspondência na nossa língua, porque não encontramos correspondência na nossa realidade. Não é, portanto, uma questão de palavras, mas de conceitos.  

 

[Texto 14 547]

Léxico: «esfirraria»

Chegou a este lado do Atlântico

 

      Abriu aqui em Benfica, na Rua dos Arneiros, uma esfirraria. Os proprietários são, pois claro, brasileiros. É a Esfirraria Harab’s. Pelo menos na rua, já toda a gente («todos os vizinhos», dizem, agora que a palavra foi reabilitada) sabe o que é uma esfirraria. Agora só falta termo-la nos dicionários, como os Brasileiros a têm. E a própria definição de esfirra, no dicionário da Porto Editora, precisa de um retoque: a «recheio de carne picada, queijo ou legumes» tem de se acrescentar um prudente «etc.», ou não se adequará a boa parte destes pastéis feitos por aí. Há esfirras salgadas e esfirras doces. A da imagem, por exemplo, que eu comi, é de leite condensado e banana. (Tipo 7 na Escala de Bristol, diria.)

 

[Texto 14 546]