11
Fev 21

Léxico: «pêra-passa»

A de Viseu é a melhor

 

      «Além do mel, que passou por um processo de certificação como produto biológico, a Fábrica do Ribeiro Sêco, que continua a ser conhecida por Engenho do Mel, diversificou a carteira. Através de parcerias com empresas locais, passou a comercializar o bolo-de-mel e as broas-de-mel (dois doces típicos do Natal madeirense), a que se juntaram, mais recentemente, os “bombons de chocolate” e compactas de batata-doce e pêra-passa. Tudo com mel, claro» («O Engenho do Mel da Madeira tem um segredo de família», Márcio Berenguer, Público, 26.12.2020, p. 28).

      Quanto às compactas, não posso confirmar se é o termo mais usado (já esta semana vi algo semelhante e davam-lhe o nome de pão), mas os dicionários não registam pêra-passa. Ora, quem não conhece a pêra-passa de Viseu?

 

[Texto 14 682]

Helder Guégués às 13:30 | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «porta-enxames | descristalizador»

Entre muitos outros

 

      «Conseguiu capturar o núcleo com a rainha e, quando o fez, deixou-o cair no porta-enxames que tinha preparado debaixo da árvore e, pouco depois, todas as abelhas a seguiram ordenadamente para o interior.»

      Muito bem, agora só falta os lexicógrafos descobrirem que existem porta-enxames. Ah, sim, neste campo ainda faltam muitos nos dicionários. Assim de repente, estou a lembrar-me de descristalizador, por exemplo.

 

[Texto 14 681]

Helder Guégués às 10:00 | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «Tinta-Negra | Molar»

Mais castas esquecidas

 

      «Foi isso que Diana Silva fez, com uvas compradas a produtores locais e a ajuda de João Pedro Machado, o enólogo da Adega de São Vicente. Optou pela Tinta Negra (a Molar de Colares) por ser a casta mais abundante e polivalente» («Os vinhateiros das periferias e das vinhas esquecidas», Pedro Garcias, «Fugas»/Público, 28.11.2020, p. 23).

 

[Texto 14 680]

Helder Guégués às 09:30 | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,

Definição: «postigo»

Para se perceber melhor

 

      «As águas do rio Douro devem subir até à zona Postigo de Carvão, na Ribeira, e Cais do Ouro, na preia-mar das 2h00, mas talvez não cheguem à zona de Miragaia, admitiu esta terça-feira o comandante da Capitania do Douro e Leixões» («Rio Douro vai galgar as margens no Porto às 2h00 de quarta-feira», Rádio Renascença, 9.02.2021, 18h49).

      É, efectivamente, a segunda acepção de postigo — palavra agora tão usada — no dicionário da Porto Editora: «pequena porta». Mas não é assim tão simples. A par das portas principais, as muralhas dos castelos também tinham postigos, pequenas aberturas na muralha, meio escondidas, localizadas em sítios de acesso e defesa fáceis, que permitiam a entrada individual de pessoas e de animais. Assim, as portas principais estavam mais defendidas.

 

[Texto 14 679]

Helder Guégués às 09:00 | ver comentários (1) | favorito

Léxico: «ofegação»

Dá jeito

 

      «O bafo ardente que a percorre dir-se-ia a ofegação de duas potências desproporcionadas a do Sol implacável e a da Terra sem ternura, querendo-se e amando-se num amor que tem as fúrias do ódio» (Alto e Baixo Alentejo, Urbano Tavares Rodrigues. Lisboa: Livraria Bertrand, 1958, p. 70).

 

[Texto 14 678]

Helder Guégués às 08:30 | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
11
Fev 21

Definição: «gabarito»

E agradecer

 

      «No resto da rede, a extensa vegetação que invade o gabarito ferroviário (o espaço que deve ser deixado livre para a passagem dos comboios) constitui um triplo risco: impede a visibilidade ao maquinista, danifica o material circulante (nomeadamente espelhos retrovisores) e potencia a propagação de incêndios impedindo que a própria via férrea constitua só por si um corta-fogo» («Vegetação extensa invade via férrea em todo o país e põe em risco a circulação», Carlos Cipriano, Público, 11.08.2020, p. 19).

      Como já vimos tantas vezes em relação a outros termos, a clareza da definição supera largamente a de muitos dicionários. Quando é assim, temos de o reconhecer e aproveitar.

 

[Texto 14 677]

Helder Guégués às 08:00 | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,