19
Fev 21

Léxico: «grafista»

Decidam-se

 

      «E, sozinha, ou tendo como colaboradora a extraordinária grafista e autora de textos para crianças Manuela Bacelar, Luísa Ducla Soares é hoje uma das grandes escritoras portuguesas da especialidade» (Roteiro da Literatura Portuguesa, Ilídio Rocha (org.). Frankfurt: Verlag Teo Ferrer de Mesquita, 1998, p. 201).

      A Infopédia parece querer fazer-nos acreditar que é termo castelhano, correspondente a «gráfico». Contudo, num texto de apoio sobre Abílio Mattos Silva, lê-se isto: «Paralelamente continuou a pintar e participou em diversas exposições coletivas, assim como colaborou na revista Presença, dirigida por José Régio, entre outras. Como grafista trabalhou diversas vezes para o Estado.» Não cheguei aqui do nada — anteontem, revi um texto em que o autor usava a palavra.

 

[Texto 14 714]

Helder Guégués às 10:00 | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «parastronauta»

Começa agora

 

      «Pela primeira vez em mais de uma década, a Agência Espacial Europeia (ESA) procura novos astronautas e o concurso está aberto a todos os Estados-membros da organização, incluindo Portugal. [...] Em paralelo, a ESA lança um projecto-piloto que prevê a escolha de um parastronauta, o primeiro astronauta com algum nível de deficiência física. Este projecto permitirá “a uma parte da sociedade que foi até agora excluída do voo espacial” seguir uma carreira de astronauta, já tinha anunciado a agência espacial» («Quer ser astronauta? A ESA vai abrir as candidaturas», Teresa Sofia Serafim, Público, 17.02.2021, p. 29).

      É simples: a uma nova realidade, uma nova palavra específica. Foi assim que também se passou a usar paratleta ou paraolímpico, por exemplo, isto para exemplificar com o mesmo elemento de formação.

 

[Texto 14 713]

Helder Guégués às 09:30 | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Diminutivo de «ateliê»

Também por este motivo

 

      «Tem passado as tardes e noites destes dias recolhido no seu “atelierzinho”. Quando o filho sai do trabalho “bota uma mão”. Ou as duas, porque — “não tenho vergonha de o dizer" — é ele, Luís Eduardo Almeida, que “escava as máscaras todas”. Tira o grosso da madeira de um tronco tosco e dá-lhe as primeiras semelhanças» («Máscaras de madeira de Lazarim atingem preços entre 250 e 650 euros», Eduardo Pinto, TSF, 16.02.2021, 8h33).

      Não serão poucos os falantes que se atrapalharão a ler este diminutivo, «atelierzinho». Em contrapartida, não me parece que seja quem for tenha dificuldades a ler o diminutivo «ateliezinho». Cá está mais um motivo para se preferir a forma aportuguesada.

 

[Texto 14 712]

Helder Guégués às 09:00 | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «aço corten»

Vai sendo tempo

 

      «Nestas circunstâncias, e para preservar a escadaria, entendeu a equipa projetista não substituir ou reparar as pedras existentes — princípio da autenticidade —, tendo optado por revestir os degraus em dois lances simétricos, junto do muro do varandim, por uma chapa de aço cortene (com o aspeto idêntico à guarda do varandim), revestida interiormente por um filme de borracha expandida. [...] Ao longo destes dois lances de chapa de aço cortene que dão acesso ao varandim da fachada do Mosteiro — e consequentemente à nova portaria e à igreja —, será também instalado um corrimão, permitindo a circulação segura de fiéis e visitantes» («Direção do Património Cultural desmente uso de betão no Mosteiro», Paula Sofia Luz, Diário de Notícias, 16.02.2021, p. 19).

      É aço corten, Paula Sofia Luz. Se já existe vai para cem anos e é tantas vezes referido, não percebo porque não está nos nossos dicionários.

 

 

[Texto 14 711]

Helder Guégués às 08:30 | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
19
Fev 21

Definição: «mosca-da-azeitona»

É duplo

 

      «A ideia foi de Fernando Rei, quando este investigador no Instituto Mediterrâneo para Agricultura, Ambiente e Desenvolvimento (MED) da Universidade de Évora abordou a forma de limitar a mosca-da-azeitona (Bactrocera oleae) através de métodos de captura em massa, em alternativa à luta química» («Criados dispositivos contra pragas do olival», Público, 17.02.2021, p. 29).

      No dicionário da Porto Editora, lê-se que o nome científico da mosca-da-azeitona, ou daco, é Dacus oleae. Sim, é, mas como também é Bactrocera oleae, será conveniente registarem os dois. Não sei, algo como Bactrocera (Dacus) oleae. Mais vale prevenir.

 

[Texto 14 710]

Helder Guégués às 08:00 | favorito
Etiquetas: ,