Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

«Gastroculinário»?

Malcozinhado

 

      Outra novidade, esta anómala: «É tempo de Páscoa, é tempo de primavera, e é tempo de primícias. Mesmo confinados, é espiritualmente a altura em que a família alargada toca a reunir em torno da mesa farta em doçaria e em primor, animada que costuma ser pelos inefáveis cabrito e borrego. Um e outro assumem à vez o trono gastroculinário da época, consoante a região onde nos encontramos e o que não pode mesmo falhar são os doces» («Páscoa, passagem e conventualidades», Fernando Melo, Diário de Notícias, 29.03.2021, p. 30).

 

[Texto 14 887]

Léxico: «torrefadora»

Primeira vez

 

      «Embora as rupturas no fluxo de cargas tenham causado o caos no comércio global de alimentos, os desafios no mercado do café mostram que a inflação destes produtos, já em aceleração, pode ser exacerbada com a reabertura das economias. Por enquanto, as torrefadoras podem recorrer aos stocks em vez de aumentarem os preços, mas, com as reservas em queda e expectativa de uma melhor colheita no Brasil, as restrições devem persistir» («‘Pesadelo’ logístico pode acentuar défice global de café», Jornal de Negócios, 28.03.2021, 17h30). ​

      Isto para mim é absoluta novidade, nunca antes tinha visto. Só vejo torrefador no Michaelis: «Diz-se de ou profissional da área de torrefação de café.» A imprensa brasileira, porém, fala na «indústria torrefadora» e em «torrefadora», a empresa que se dedica à torrefacção de café. Agora chegou cá. Aguardemos desenvolvimentos.

 

[Texto 14 886]

Léxico: «petreu»

Pouco mudou

 

      «Havia em tempos muitos remotos na Arábia Petreia um marabuto ou santão, que era de carácter rústico, intratável e fero. Tinha por vezo ou doença abespinhar os compatriotas, afirmando que tudo ia de mal a pior, que o caide era tolo e criança, que os habitantes do aduar vizinho haviam de conquistar o oásis, que as palmeiras floriam tarde e a más horas e davam frutos deslavados, que os poços secavam, os camelos não criavam leite, e os avestruzes não punham ovos» (Bom Senso e Bom Gosto: Questão Coimbrã: textos integrais da polémica, Vol. 3, Alberto Ferreira. Lisboa: Portugália Editora, 1966, p. 211).

      Não é preciso ir à Arábia Petreia nem a séculos recuados: também entre nós — alguns já andaram aqui pelo blogue — temos gente assim, para quem tudo está sempre mal — mas incapaz de mexer uma palha para melhorar o que quer que seja. Exímios em guerreias de língua, mas fracos em trabalho produtivo, sobretudo se altruísta.

 

[Texto 14 885]