Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Definição: «gibraltino»

Para o lado de lá

 

      «Em consequência, os gibraltinos deram um grande passo no regresso à normalidade, embora com restrições» («Gibraltar: primeiros na era além-covid», Diário de Notícias, 29.03.2021, p. 11).

      Isto é «além-covid» como «além-túmulo», não é? Quanto a gibraltino: no dicionário da Porto Editora, lemos que é «relativo ou pertencente a Gibraltar (território inglês no Mediterrâneo)». Morno, morno... Ainda na quarta-feira da semana passada, no noticiário das 13h00 na Antena 1, falaram da vacinação contra a covid-19 em Gibraltar — «território britânico no extremo sul da Península Ibérica». O Dicionário da Real Academia Espanhola diz-nos que gibraltareño é o «natural de Gibraltar, ciudad situada al sur de España». A perspectiva... Já aqui a vimos em relação a etarra: a Porto Editora afirma que é o elemento do «grupo independentista basco», ao passo que a Academia Espanhola garante que é o «relativo a la organización terrorista». Apesar de tudo, compreendia se fosse ao contrário.

 

[Texto 14 993]

 

Léxico: «coluvionar»

Ah, pois, mas faz falta

 

      «“Disseminados por toda a área são observáveis materiais atribuíveis à Pré-História recente (neolítico final-calcolítico, viragem do 4.º para o 3.º milénio a. C.). Registam-se em depósitos remobilizados de origem aluvionar e/ou coluvionar aparentando estar relacionados com o sítio arqueológico localizado a poente, no designado Loteamento das Forças Armadas”, adiantou a DGPC, acrescentando que na área “A” foi identificada uma zona de ocupação humana que “de forma muito preliminar está a ser associada ao paleolítico”, mas a escavação deste espaço ainda não foi iniciada» («Encontrados vestígios romanos na antiga Feira Popular de Lisboa», Rádio Renascença, 1.04.2021, 15h25).

 

[Texto 14 992]

Léxico: «mindense | mirense»

Tanta gente esquecida

 

      «Mirenses e mindericos têm uma rivalidade histórica. Até 1709, Mira de Aire fazia parte da freguesia de Minde, depois emancipou-se como freguesia, mas continuou a fazer parte do concelho de Alcanena. Em finais do século XIX o concelho de Porto de Mós foi extinto e quando se formou novamente, Mira de Aire integrou-o. O desenvolvimento industrial colocou estas duas freguesias do maciço calcário, actualmente com pouco mais de sete mil habitantes, em competição. “A sensação que temos quando falamos com um mindense ou com um minderico é de que somos iguais, mas habituámo-nos durante anos a afirmar e alimentar a diferença. Temos um território em comum e é uma estupidez estarmos de costas voltadas”, afirma Miguel Tristão [dinamizador do movimento cívico Mira-Minde]» («Projecto Mira-Minde quer valorizar um território que já não vive da indústria», O Mirante, 1.07.2019, 15h00).

      Porto Editora, esqueceste-te de mindense, mas não de minderico. Já quanto a mirense, dizes que é o natural ou habitante de Mira. Então e os de Mira de Aire?

 

[Texto 14 991]

Léxico: «passivo-agressivo»

É o mesmo

 

      «Por definição, nas pessoas que agem de forma passivo-agressivo a agressividade é exteriorizada de forma velada, ou seja, através do silêncio, do isolamento ou da vitimização» («5 sinais de que está perante comportamentos passivo-agressivos», Sílvia Rodrigues, Delas, 13.04.2021). E não encontramos obsessivo-compulsivo em todos os dicionários? Ora aí está.

 

[Texto 14 990]

Revisão, precisa-se

Nota-se, pois

 

      «Mas engane-se quem pense que este desconfinar da cultura se alastrou a todos quantos dela fazem o seu modo de vida e de ganha-pão: as Corridas de Touros continuam proibidas, sem que nenhuma justificação lógica sustente este verdadeiro atentado aos mais elementares direitos dos amantes dos toiros» («Fobia aos touros», Pedro Ochôa, Nascer do Sol, 21.04.2021).

      O nome do jornal não é feliz (adequa-se mais a modesto restaurante da província), e deve haver por aí muita gente confusa com este e com o novo Sol. Quanto ao que está assinalado: está errado, claro. Havia, pelo menos, duas formas de o dizer: «desengane-se quem pense» e «engana-se quem pensa». Falta de revisão, do próprio e do jornal. E nota-se.

 

[Texto 14 989]

Léxico: «desservidor»

Pouco, mas usa-se, existe

 

      «E deveis crer, mui excelente Senhor, que poucas vezes vos serão fiéis aqueles que com dádivas tiverdes que sustentar; antes é certo que vos sejam desservidores, porque nenhum dos semelhantes vem a vós como deve vir mas como pensa alcançar» (Sevilha, Noiva de Portugal, António de Cértima. Lisboa: SIT, 1963, p. 96).

 

[Texto 14 988]