Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Léxico: «clericalização»

Para o sítio certo

 

      Porto Editora, mais um que apenas tens num dicionário bilingue: «Face à crescente consciência da identidade e da missão dos leigos na Igreja, o Papa institui um ministério laical de Catequista, que “imprime uma acentuação maior ao empenho missionário típico de cada um dos batizados que, no entanto, deve ser desempenhado de forma plenamente secular, sem cair em qualquer tentativa de clericalização”» («​Papa institui ministério para catequistas leigos», Aura Miguel, Rádio Renascença, 11.05.2021, 10h33).

 

[Texto 15 137]

Léxico: «luciferina»

Diabólico

 

      «De facto, a luciferina “pode ser usada em muitas experiências laboratoriais, em vários campos de investigação”, revela Miguel Castanho. “É uma técnica de base, nada tem de específico para vacinas, podendo ser usada para os mais diversos fins, quase sempre relacionados com a necessidade de provar a existência de determinados compostos em células ou tecidos.”» («Fact Check. Vacina da Moderna contém luciferina?», Diogo Teixeira Pereira, Observador, 19.05.2021, 16h14).

      Neste caso, nem sequer no Dicionário de Termos Médicos da Porto Editora. No geral, só o adjectivo luciferino regista. Isto é diabólico.

 

[Texto 15 136]

Léxico: «cicloviário»

Isso de pouco serve

 

      «Integração das práticas da economia circular no desporto. A circularidade do desperdício no desporto (competição, têxtil, manufatura, infraestrutura), assim como no resto da economia, é evidente. Desde modelos usados ou alugados ao nível dos equipamentos, transporte cicloviário, até aos treinos em ginásios e afins, tudo deve ser usado para reciclar ou reaproveitar» («Sociedades mais saudáveis com sustentabilidade ambiental: Agenda Estratégica 2030», António José Silva, Observador, 8.04.2021, 00h00).

      Até está num dicionário bilingue da Porto Editora, relating to a cycle path, mas isso, como sempre, de pouco nos serve.

 

[Texto 15 135]

Definição: «campus»

Saiam, andem por aí

 

      Agora que passo todos os dias em frente ao Templo Radha Krishna (⟵ Centro de Vacinação, lê-se em vários cartazes no relvado adjacente), olho para o outro lado e que vejo? O Hospital das Forças Armadas (HFAR), responde uma leitora. Sim, está bem, mas já leu o que está agora por cima do portão? CAMPUS DE SAÚDE MILITAR. E não temos também o Campus de Justiça? Então por que razão se lê nos nossos dicionários que campus diz respeito apenas a universidades?

 

[Texto 15 134]

Léxico: «enrascanço»

É só boa vontade

 

      «Aí podia eu logo ter cavado, aproveitando a ida dos três à tasca do Amâncio. Não fui capaz. Não podia deixar-te a ti e ao teu pai naquele enrascanço. Há coisas que a gente não pode fazer sob pena de não achar, nunca mais, gosto pela vida. Fiquei» (O Cavalo do Lenço Amarelo É Perigoso, Mário Castrim. Lisboa: Seara Nova, 1974, p. 128).

      Os nossos dicionários é que apenas nos deixam enrascados, sem enrascanço. É só boa vontade, coitados.

 

[Texto 15 133]

Léxico: «revirador»

Assusta um pouco

 

      Queria como prenda de aniversário (!) o que me pareceu um instrumento de tortura medieval. Disse-o com todas as letras: «Quero um eyelash curler profissional.» «Diz lá isso em português, se fazes favor», intimei-a. «Um revirador de pestanas profissional.» Agora só falta pormos a Porto Editora a dizê-lo. Bem, ela já a tem em alguns dicionários bilingues, mas deixou o trabalho a meio. O indígena fica à nora, desamparado, como sempre — e depois recorre à palavra inglesa. Lindo.

 

[Texto 15 132]