Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Léxico: «subadulto»

Mais de um ano

 

      «Para Portugal, com um núcleo populacional no Vale do Guadiana, foi estimado um total de 140 exemplares durante 2020, dos quais 80 são indivíduos adultos ou subadultos (mais de um ano), adianta o ICNF» («Portugal tem núcleo de lince ibérico [sic] com 140 exemplares», Correio da Manhã, 29.05.2021, p. 22).

 

[Texto 15 175]

Léxico: «tirosinase | tirosínase»

Em vários cogumelos...

 

      «Xueli Abbing foi abandonada à porta de um orfanato quando ainda era o bebé. A chinesa sofre de uma condição genética rara que, perante a ausência total ou parcial de uma enzima (tirosinase) na síntese da melanina, torna a sua pele e cabelos extremamente claros, bem como sensíveis à luz solar. Agora, aos seus 16 anos, é modelo da Vogue» («Abandonada em bebé por ser albina, jovem é agora modelo da Vogue», SIC Mulher, 30.05.2021).

      Explica lá isto melhor, Porto Editora, pois define-la assim: «BIOQUÍMICA enzima solúvel existente em vários cogumelos».

 

[Texto 15 174]

Salvini sem salvação

Tanta esperteza, e depois isto

 

      «Quem esteve presente este domingo no palco do congresso foi Matteo Salvini, líder do partido da extrema-direita italiana Liga e ex-vice-primeiro-ministro, que subiu ao palco para manifestar o desejo de o partido de André Ventura vir a ser governo, sendo o “primeiro” partido em Portugal. Quando tentou falar em português, contudo, Salvini pediu que o Chega fosse “a primeira festa” e não o “primeiro partido”, confundindo a palavra inglesa ‘party’ que tem o duplo significado» («Salvini (esperado) e partido de Netanyahu (surpresa) foram apoiar Ventura. PSD cancelou e IL também mudou de ideias (sem explicar porquê)», Rita Dinis, Expresso, 30.05.2021, 19h27).

 

[Texto 15 173]

 

Etimologia: «datcha»

Isso é enganador

 

      «A suprema prova de consideração, já a resvalar para a familiaridade, será o convite para um fim-de-semana numa datcha, com churrascos preparados ao ar livre pelos donos da casa, conhaques em grande, cantares, jovialidade boémia, que em Moscovo só se adivinha nas ruelas do Arbat, o romântico Bairro Latino da capital, onde residiu o trepidante Pouchkine, encarnação do génio russo» (URSS mal amada, bem amada, Fernando Namora. Lisboa: Bertrand Editora, 1986, pp. 78-79).

      A Porto Editora diz que provém do «russo datcha, “acção de dar”», mas é claro que está errado. Datcha, na transliteração, significa o mesmo em russo. É como explica o Online Etymology Dictionary: «Russian country house or small villa near a town, for summer use, 1896, from Russian dacha, originally “gift” (of land), from Slavic *datja, from PIE root *do- “to give.”» Ou seja, nesta acepção, em russo, significa o mesmo. O termo russo é que provém do vocábulo que significa «acção de dar». Fico doente com esta falta de precisão.

 

[Texto 15 171]

Léxico: «parantropo | arcantropo | paleantropo | neantropo»

Muito simples

 

      «Fala-se nos Parantropos (hominídeos anteriores à aparição do homem), nos Arcantropos, que são os mais antigos hominídeos que caminhavam na posição vertical, nos Paleantropos, a que também se chama neandertalenses ou homens do Neandertal (nome que vem de um vale na Alemanha onde foi encontrado um crânio representativo desse grupo), nos Neantropos, em que se inclui o tipo designado por Cro-Magnon, e o homem actual» (Para uma História do Povo Português: Raiz e Madrugada, José H. Saraiva. Lisboa: Gradiva, 1989, p. 11).

      Há dicionários que têm um ou outro dos termos assinalados. No dicionário da Porto Editora é muito mais simples: não regista nenhum. O primeiro, só para que conste, apareceu-me agora numa tradução.

 

[Texto 15 170]