Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Léxico: «pano de terra | pano de obra»

Entretanto, em Cabo Verde

 

      «Mas há uma peça que se destaca de todas as outras e está associada à história de Cabo Verde: é o pano de terra ou pano d’obra, um pano longo e estreito [chega aos 180 centímetros de comprimento por 17 de largura] feito artesanalmente em teares manuais [em Trás-os-Montes, aldeia no Norte da ilha de Santiago], sendo cada peça única no seu estilo e formato. Esta irregularidade é a característica que garante a sua autenticidade» (Cabo Verde, Tânia Sarmento. Alfragide: Lua de Papel, 2012, p. 44).

      Não é bem assim, não são sinónimos. Pelo que li, o pano de obra é um pano mais simples. O que é estranho é nada disto estar nos nossos dicionários.

 

[Texto 15 283]

Léxico: «beta-oxidação»

Para evitar o β

 

      «“Os músculos de cetáceos usam a beta-oxidação de ácidos gordos (tal como os espermatozóides) e não carbo-hidratos”, nota Filipe Castro, e estes açúcares são só́ usados pelo cérebro. “A dieta destes animais é muito pobre em carbo-hidratos — portanto, a hipótese é de que os açúcares presentes na dieta são apenas usados para gerar energia no cérebro”» («Espermatozóides dos golfinhos usam sobretudo gorduras para nadar», Público, 29.06.2021, p. 32). Mais usado é β-oxidação, mas num dicionário...

 

[Texto 15 282]

Léxico: «enrolamento»

Na arquitectura

 

      «No caso d’A Brasileira, “a invenção principal consistiu na exploração intensa do cristal como critério de transparência, nomeadamente nos dois vitrais laterais, discretamente protegidos por guardas baixas de enrolamentos em ferro e bronze sobre socos trabalhados em pedra”, escreve Domingos Tavares no seu livro [Arquitecto Oliveira Ferreira: Das praias de Gaia ao centro do Porto (Dafne Editora)], recordando depois a história das sucessivas intervenções nesta casa que hoje permanece um ex-libris da Baixa portuense, e que ainda recentemente foi objecto de nova intervenção e ampliação» («O arquitecto de “uma modernidade inquieta”», Sérgio C. Andrade, Público, 29.06.2021, p. 31).

 

[Texto 15 281]