Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Léxico: «geoespacial»

Cem anos depois

 

      «O ano de 2021 marca o centenário do curso de Engenharia Geoespacial da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. A licenciatura, de cinco anos, nasceu em 1921, após uma proposta de Eduardo Ismael dos Santos Andreia, astrónomo e professor na faculdade. A ideia inicial era formar engenheiros geógrafos para trabalharem nas colónias portuguesas» («Os 100 anos do curso de Engenharia Geoespacial: nasceu dos mapas, faz caminho com GPS», Guilhermina Sousa, TSF, 21.06.2021, 16h21).

      Cem anos? Ainda não está no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora. «Queria pesquisar aeroespacial

 

[Texto 15 311]

Definição: «cabo-verdiano»

Tomáramos nós

 

      «Cabo Verde celebra hoje o seu 46.º aniversário de independência. No país, a língua oficial portuguesa convive, em situação de diglossia, com a língua nacional do país, o cabo-verdiano. A língua cabo-verdiana é um crioulo de base lexical portuguesa; pertence ao ramo dos crioulos afro-portugueses da Alta-Guiné, da família dos crioulos de base portuguesa» («Parabéns, Cabo Verde!», Margarita Correia, Diário de Notícias, 5.07.2021, p. 28). Tomáramos nós que os dicionários a definissem da mesma maneira.

 

[Texto 15 310]

Léxico: «lagarta-barão-comum»

Bem camuflada

 

      «A lagarta-barão-comum [Euthalia aconthea] é uma criatura nativa da Índia e do Sudeste Asiático, que é exímia em camuflagem. Capaz de se posicionar perfeitamente na folha de uma mangueira, o seu alimento preferido, é quase impossível identificá-la, mesmo para quem saiba que ela lá está» («A lagarta exímia em camuflagem», Sábado, 9-16.06.2021, p. 20).

 

[Texto 15 309]

Léxico: «imagologia»

Contra a seita

 

      «É talvez útil, deste ponto de vista, avizinhá-la do contributo filosófico dado por Eduardo Lourenço. Lourenço investe na diagnose crítica do que ele chama a “imagologia portuguesa”, isto é, o conjunto de representações e de autorrepresentações que moldam o modo como enfrentamos os processos históricos enquanto povo, ao longo dos séculos e em particular na época moderna» («Ontologia portuguesa», José Tolentino Mendonça, «Revista E»/Expresso, 25.06.2020, p. 90).

      «Queria pesquisar imagiologia?», perguntas, Porto Editora? Achas? A questão, o problema — ou a porra, diriam outros — é que não está em nenhum dicionário, mas depois vamos encontrá-lo em muitas e muitas obras, sobretudo de literatura. E é assim que muitos queriam que continuasse, reservado aos discípulos, aos iniciados. A seita. Na seita há papão, nada tem explicação.

 

[Texto 15 308]