Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Léxico: «douradinho»

Ainda mais estranho

 

      Outra palavra na clandestinidade é douradinho, que vejo vai para vinte anos, vinte!, e ainda nenhum dicionário acolhe. Esta é boa... Cá está ela de novo numa tradução, para verter o inglês fish sticks. Douradinhos de peixe, de frango, de tofu, de espinafres... Pobres falantes, abandonados.

 

[Texto 15 347]

Léxico: «flor-cadáver»

Estranha

 

      «A Odoardo, a amizade com James abriu-lhe as portas de Sarawak, do Brunei, da Malásia e da Papua-Nova Guiné. O italiano que se tornaria diretor do Jardim Botânico de Florença, [sic] inventariou a Oriente centenas de novas espécies vegetais e animais. É, contudo, a inevitável atração exercida pelo gigantismo da Amorphophallus titanum, a flor-cadáver devido ao odor putrefacto que exala, que promoveu o naturalista entre a comunidade científica» («Flor-cadáver, o titã vegetal que caiu nas boas graças do mundo», Jorge Andrade, Diário de Notícias, 19.07.2021, p. 12).

      A pontuação é que não melhorou nem um pouco, ai... É que também não se alcança assim com umas lambidelas.

 

[Texto 15 346]

Mais ritos

Não temos estes

 

      «O Papa Francisco publicou esta sexta-feira um documento que limita o uso do missal de 1962 para a celebração da missa. Esta forma de celebrar missa, conhecida por vezes como “Rito Antigo”, “forma extraordinária do rito romano” ou por “rito tridentino” corresponde à missa que era celebrada por, praticamente, toda a Igreja Católica de rito latino, antes da reforma da liturgia, decidida pelo Concílio Vaticano II» («Papa limita celebrações de missas segundo o rito antigo», Filipe d’Avillez, Rádio Renascença, 16.07.2021, 13h11).

 

[Texto 15 344]