Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Léxico: «contraguarda»

Dos livros

 

      Há contraguardas nos livros e em arquitectura, mas não no dicionário da Porto Editora. Só resquícios em dicionários bilingues, como se da invenção do dicionarista. (Não perguntam, mas eu digo: em inglês, é pastedown, definido pelo Collins desta maneira: «a portion of endpaper pasted to the cover of a book».) Para quem só soube sugerir três arcaísmos em falta no dicionário, deve ser um espanto renovado a cada dia ver o que aqui vai.

 

[Texto 15 451]

Léxico: «pico | colherim»

Podemos melhorar isso

 

      «“Aqui é que já se pode usar o pico... traz também o colherim”, diz o arqueólogo Fábio Capela para o jovem voluntário Diogo Petreques. “Vais puxando as pedras com cuidado, até encontrar a face. Só não podes tirar as pedras que estão em posição horizontal e vertical, porque pode ser a face”, explica, debruçado sobre uma zona que, aos olhos de um leigo, mais parece um simples montão de pedras, sem nexo» («Castelo de Alferce tinha uma entrada feita para dificultar a vida aos invasores», Elisabete Rodrigues, Sul Informação, 10.08.2021, 7h00).

      Quanto a colherim, ainda se pode considerar que está bem definido no dicionário da Porto Editora, mas não se pode dizer o mesmo de pico. A única acepção que se aproxima refere-se ao «instrumento de picar pedra; picão». E até a definição de colherim podia melhorar assim: «instrumento constituído por um cabo acoplado a uma peça chata, fina e triangular, geralmente de metal, usado por estucadores, pintores, arqueólogos, etc.; colheril». Tomem nota: por vezes, a melhor ajuda está na exemplificação.

 

[Texto 15 450]

Léxico: «ninfeu»

Da geologia? E da arquitectura

 

      «Este fragmento foi descoberto numa camada de destruição de um edifício público romano, onde outrora Baco foi cultuado num nicho (ninfeo?), como o demonstra a cabeça de Dyonisos menino encontrada nas proximidades. Estariam a escultura e o cálice relacionados? Não sabemos, mas queremos acreditar que sim» («De Mértola para o mundo: a Ariadne ‘Mirtilensis’», Texto Jorge Feio (arqueólogo), Diário do Alentejo, 8.04.2021, 12h00).

      Pois, está errado: é ninfeu. É que ninfeo, senhor arqueólogo, é o termo italiano. (Ai que não lemos nada...) No respectivo dicionário bilingue da Porto Editora, diz-se que é um termo da arquitectura e que corresponde em português a ninfeu. Tudo verdade, mas no dicionário da língua portuguesa não registam nenhuma acepção específica da arquitectura. Acontece.

 

[Texto 15 449]