Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Léxico: «platex | quispo»

A isso ninguém sabe responder

 

      «O tríptico consiste em placas de madeira (platex) do início dos anos 1950, polidas a ouro e pintadas a óleo, sobretudo com motivos marinhos, instaladas no bar-restaurante de segunda classe do Santa Maria, lê-se no catálogo da leiloeira. Com dimensões de 112 por 190 centímetros, as três peças de parede estão separadas mas funcionam como um todo, através de cavilhas que permitem a junção» («Vão a leilão painéis decorativos do mítico paquete Santa Maria», Bruno Horta, Observador, 7.11.2018, 16h10).   Quem tem dúvidas de que se trata de um nome comum, como gilete, quispo ou aspirina, entre muitos outros? Então porque não estão todos eles em todos os dicionários?

 

[Texto 15 819]

 

Ah, em inglês é que é

A lamúria de sempre

 

      «Lembra-se de fazer passeios em parques e pela beira dos canais em busca de plantas e cogumelos. O termo é “foraging”, e inclui também as algas. Em português até se pode dizer “forragear”, mas a especialista [Fernanda Botelho] gostava de encontrar uma palavra mais bonita que traduzisse o conceito, cada vez mais em voga, tanto por razões de sustentabilidade como de diversidade» («Comida à mão de apanhar», Joana Stichini Vilela, «Revista E»/Expresso, 30.10.2021, p. 70).

      Já estamos habituados a esta lamúria: ah, em inglês é que é! Ainda que sejam semelhantes — no caso, o étimo, francês, é o mesmo —, em inglês é sempre melhor. Assim não vamos longe.

 

[Texto 15 818]

Léxico: «contar de»

Mais uma que levou sumiço

 

      «Os bracarenses que, em 1687, contavam de setenta anos além, lembravam-se de ter visto os magníficos festejos com que o arcebispo, primaz das Espanhas, D. Rodrigo da Cunha, tinha sido recebido, em 1627, às portas e nos paços da cidade querida de tantíssimos príncipes santos da igreja, desde S. Pedro de Rates até frei Bartolomeu dos Mártires» (O Santo da Montanha, Camilo Castelo Branco. Lisboa: Parceria A. M. Pereira, 1972, p. 57). Ora cá está uma regência que desapareceu de todos os dicionários, e, contudo, vemo-la também em Gil Vicente.

 

[Texto 15 817]

Léxico: «ansarina-branca»

Outras que não esta

 

      «Bastam alguns segundos no “ali” para nos depararmos com os primeiros achados, junto à vedação do tal vizinho: lado a lado, malvas e ansarinas-brancas» («Comida á mão de apanhar», Joana Stichini Vilela, «Revista E»/Expresso, 30.10.2021, p. 70). Tens duas, Porto Editora, a ansarina-dos-campos e a ansarina-malhada, mas não esta ansarina-branca (Chenopodium album).

 

[Texto 15 816]