Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Léxico: «ferrofluido»

Inventado pela NASA?

 

      «Percalços à parte, [Fionn Ferreira] conseguiu criar um ferrofluido, uma forma inovadora e não poluente, à base de óleo vegetal, pó metálico e um íman, extrai os microplásticos da água com uma eficiência de 85 % – estamos a falar de fragmentos minúsculos de plástico, com menos de cinco milímetros, que mal se veem» («Uma ideia para limpar os oceanos», Maria Filomena Silva, Audácia, Fevereiro de 2022, p. 33).

 

[Texto 15 841]

Léxico: «Uva-Cão»

Sabedoria ancestral

 

      «Um bom exemplo é o vinho que sugiro hoje, feito com Uva Cão, uma variedade tão ácida que se plantava nas vinhas à beira dos caminhos para desincentivar os passantes. Era a casta que guardava a vinha!» («Balanços (rápidos) e perspetivas (nubladas)», João Paulo Martins, «Revista E»/Expresso, 23.12.2021, p. 82). Isto é que é sabedoria. E Uva-Cão não está nos dicionários. Na página da internet da Comissão Vitivinícola Regional (CVR) do Dão pode ler-se: «Esta casta no Dão é das mais serôdias e menos produtivas da região. O cacho é pequeno a médio e compacto. O bago é pequeno e de película espessa. Produz vinhos de cor citrina, frutados, frescos e com riqueza ácida. A boa graduação alcoólica, associada à acidez que apresenta, permite uma muito boa evolução em garrafa, dando nessa altura origem a vinhos com um certo corpo, cor amarelo palha e uma frescura admirável, com muita finura e elegância. Entra geralmente misturado com outras castas conferindo-lhes a acidez, delicadeza e equilíbrio.»

 

[Texto 15 840]

Léxico: «artesania»

E por isso também nossa

 

      «Em “Together”, Sennett defende que a cooperação pode ser uma artesania» («Juntos», Guta Moura Guedes, «Revista E»/Expresso, 23.12.2021, p. 84). Claro que veio — como inúmeras outras, que não conseguiríamos substituir — do castelhano, mas já anda por cá em circulação há muito.

 

[Texto 15 839]

Léxico: «angelista»

Atenção às duplas

 

      «Certamente poderíamos continuar a questionar sobre a demonização da morte, a paganização de nossa sociedade, o selo de angelismo que marca os espíritos e gera fraqueza onde esperaríamos forças, a ponto de acreditar mais no Diabo do que no Deus» («“Um deslizamento de terra”», Joëlle Belloir, Jornal da Beira, 18.11.2021, p. 15). Então, se registas angelismo, Porto Editora, tens igualmente de registar angelista.

 

[Texto 15 838]