Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Há bestas e bestas

Mas poucos as destrinçam

 

      Nas diversas e desvairadas notícias sobre a alegada besta terrorista, nunca falha a menção à besta que lhe encontraram em casa. O problema é que, na rádio e na televisão, seja jornalista, seja estudante entrevistado, querendo referir-se a esta última, é a primeira que nomeiam. Dizem sempre que sabem, mas depois...

 

[Texto 15 983]

Definição: «quipá»

Melhorável

 

      A palavra do dia, na terça-feira passada, na Infopédia, foi quipá, «pequeno barrete circular usado por judeus como símbolo religioso». Hum... Por todos? Sempre? No Collins a definição é mais apurada: «a skullcap worn by orthodox male Jews at all times and by others for prayer, esp a crocheted one worn by those with a specifically religious Zionist affiliation». Há por onde melhorar: usado pelos homens; semelhante ao solidéu; especialmente nos actos do culto. Também é pena que não se use mais o sinónimo — para que remetem logo, sem mais delongas, alguns dicionários de inglês — iarmulque.

 

[Texto 15 981]

Léxico: «bulideiro»

Outra clandestina

 

      No Portugal em Directo, na RTP1, de segunda-feira da semana passada, falaram das pedras bulideiras de Chaves, atracção que ali leva muita gente. De facto, nos oráculos era assim que aparecia escrito. Contudo, mostraram uma placa de metal junto de uma das pedras, as mais conhecidas, e o que se lia nela era «pedra bolideira». Apesar da presumível etimologia (e lá aparecerem dois velhotes nada atléticos, atarracados, a bulir a pedra), talvez se possam considerar sinónimos. O que me parece uma obviedade — que, todavia, escorrega na couraça de muita gente — é que se tem de dicionarizar o adjectivo bulideiro.

 

 

[Texto 15 980]

Léxico: «sancionamento»

Por isso a defendo

 

      «O colombiano Egan Bernal, vencedor do Tour 2019 e do Giro 2021, sofreu traumatismos (cervical e toráxico) e fraturas dos membros inferiores, ao colidir com um autocarro enquanto treinava. O ciclista da INEOS encontrava-se estável e à espera de ser operado, à hora do fecho desta edição» («Bernal sofre várias lesões em acidente», Jornal de Notícias, 25.01.2022, p. 43).

      Num sítio com uma mais lata compreensão da língua, admitir-se-ia esta grafia como variante legítima, pois que nasce dentro da própria língua, não é fruto de importação directa de outra. Aqui, porém, teria de provir do sancionamento (dicionariza-o) expresso de vinte catedráticos reunidos anos a fio. Só com salamaleques, louvaminhas e zumbaias ao estilo, consumem-se logo três sessões.

 

[Texto 15 979]