Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Léxico: «asséptico»

As aspas mais parvas dos últimos tempos

 

      «O Ministério da Defesa da Ucrânia garante que as tropas russas entraram em Kiev, afirmando que “o inimigo” está no distrito de Obolon» («Tropas russas entraram em Kiev», Rádio Renascença, 25.02.2022, 8h56). Inimigo com aspas, escreve o plumitivo (implume, de certeza). Gostava de o ver lá, debaixo de fogo, para comprovar este jornalismo asséptico. (Isso mesmo, Porto Editora, como não deixam de registar alguns dicionários, asséptico também é, por extensão de sentido, «extremamente asseado ou higiénico».)

 

[Texto 16 023]

Léxico: «subdimensionar | subdimensionado | subdimensionamento»

Só temos o antónimo

 

      «A Unidade de Controlo Costeiro da GNR apreendeu 770 quilos de pescada subdimensionada no porto de abrigo da Nazaré. “No âmbito de uma ação de fiscalização levada a cabo com o objetivo de controlar a comercialização de pescado fresco, os militares da Guarda intercetaram uma viatura que continha no seu interior pescado sem as medidas regulamentares de venda”, afirma a GNR em comunicado. A ação policial permitiu identificar um homem de 42 anos, tendo sido elaborado o auto de contraordenação, cuja coima pode ascender a 37 500 euros» («GNR apreende 770 quilos de pescada sem as medidas legais», Jornal de Notícias, 21.02.2022, p. 15).

 

[Texto 16 022]

Léxico: «translocação»

Faltam acepções

 

      «A estratégia mais usada para mover as corujas chama-se deslocamento, na qual os construtores esperam até que os pássaros estejam longe de casa para depois colapsarem as suas tocas (os ecologistas chamam-lhe “remoção”). Presume-se que as corujas sem lar vão encontrar novas tocas. Outra opção, mais complexa, é a chamada translocação, na qual cientistas como Colleen Wisinski capturam e transferem os animais para novos locais que geralmente estão protegidos de desenvolvimentos futuros» («Corujas minúsculas que vivem em tocas encontram um lar mais seguro com a ajuda de cientistas», Rebecca Dzombak, National Geographic, 11.02.2022, 9h39).

 

[Texto 16 021]

Léxico: «coruja-buraqueira»

Apesar do nome

 

      «Apesar do nome, as corujas-buraqueiras [Athene cunicularia ou Speotyto cunicularia] – encontradas em pastagens áridas desde o Canadá até à América do Sul – não escavam tocas, ocupam tocas. Estes pássaros de 25 centímetros de altura escondem-se em tocas abandonadas por cães-da-pradaria e esquilos, caçando insetos e pequenos mamíferos durante o dia e nidificando com até uma dúzia de crias durante a noite» («Corujas minúsculas que vivem em tocas encontram um lar mais seguro com a ajuda de cientistas», Rebecca Dzombak, National Geographic, 11.02.2022, 9h39).

 

[Texto 16 020]

Léxico: «unívoro»

Não ouvi mal

 

      «De acordo com o estudo [Práticas Culturais dos Portugueses, do ICS], os festivais ou festas locais foram os espetáculos ao vivo a que mais inquiridos (38%) disseram ter assistido, seguindo-se os concertos de música ao vivo (24%). Em relação aos festivais, “em geral, são os inquiridos do sexo masculino, dos grupos etários mais jovens, entre os 15 e os 34 anos, e com um perfil omnívoro [que apresentam uma orientação cultural mais diversificada] que dizem terem frequentado esta prática cultural”. [...] Já sobre as festas locais, “são os inquiridos com mais de 65 anos, com o terceiro ciclo, que têm uma adesão mais expressiva, se comparado com outras práticas, das quais estão ausentes ou associados a um perfil de participação cultural unívoro [demonstram uma menor frequência nas práticas culturais]”» («Festivais e festas locais são os espetáculos mais vistos em Portugal. Convívio vale mais do que cartaz, público é maioritariamente masculino e pop-rock é rei», Expresso, 16.02.2022, 17h10).

      Primeiro ouvi isto na rádio. Ainda pensei que estava na hora de comprar um amplificador auditivo Ouvify, mas depois vi que não era preciso.

 

[Texto 16 019]

Léxico: «lixarada»

Não o esqueçamos

 

      «Mas tempos depois abriram a sepultura e ele viu a restolhada da ossaria com uma caveira a rir-se dele de uma maneira indecente. E ele disse meu Deus. E deixou lá a paixão toda e o coveiro enterrou-a com os restos da lixarada» (Na Tua Face, Vergílio Ferreira. Lisboa: Bertrand Editora, 1993, p. 66).

 

[Texto 16 018]