Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Léxico: «constituinte»

E não é que tem razão?

 

      «Lembro-me», diz a deputada ucraniana Kira Rudik, «de como a guerra principiou. Eram cinco da manhã quando comecei a receber mensagens a dizer que Putin tinha declarado guerra. Fomos para o parlamento para votar a lei marcial e depois disso fomos à esquadra da polícia para levantar as nossas metralhadoras. E lembro-me de pegar na metralhadora e pensar se simplesmente a teria comigo para uma eventualidade ou se iria realmente usá-la. Depois reuni-me com os membros do meu partido para decidir que tínhamos de fazer o possível e impossível e tomar as decisões mais adequadas para o nosso país. E percebi que eu seria mais útil onde os meus constituintes estão. Portanto decidi ficar, treinar e aprender a usar uma arma» («“A Rússia tem de colapsar.” Kira Rudik está em Kiev e de lá não sai», Paula Alves Silva, TSF, 9.03.2022, 16h14).

 

[Texto 16 075]

Léxico: «percebeiro»

Depois dos chicharreiros

 

      «Zé Fininho, de seu nome José Vitorino Marreiros, é um dos 80 percebeiros da Costa Vicentina. Começou aos 14 a acompanhar o pai, e já o avô era percebeiro. A procura é grande, garante, até porque “quem não tem percebes não tem clientes”» («Costa Vicentina. Mar imenso», Sandra Costa, Revista Saúda, Outubro de 2021, p. 38).

      Não, Porto Editora, não queria pesquisar nenhuma das seguintes: merceeiro, percebelho, perceber, percebido. Primeiro, trouxe os chicharreiros; agora, os percebeiros.

 

[Texto 16 073]

Léxico: «freudianismo»

Quase lá

 

      «Susan Sontag foi uma mulher emblemática, envolta em mitos e incompreendida, louvada e detestada, cujos escritos sobre arte, política, feminismo, homossexualidade, drogas, fascismo, freudianismo, radicalismo e comunismo marcaram gerações de leitores» («Susan Sontag. Biografia uma das maiores pensadoras do século XX chega às livrarias», Rádio Renascença, 7.03.2022, 16h31).

      Estás quase lá, Porto Editora, pois acolhes o vocábulo freudismo. Outra coisa: todos os dicionários e vocabulários deviam apor, a seguir a estes termos derivados do antropónimo Freud, o que vemos no VOLP da Academia Brasileira de Letras: (frói). Queremos aplanar o caminho ao falante ou o contrário?

 

[Texto 16 072]