Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Léxico: «interfreguesias»

Torneios, reuniões, parcerias, etc.

 

      «Na ocasião, a vereadora da CDU, Bárbara Barros, na oposição, defendeu a necessidade de alargamento da frota elétrica, bem como da criação de uma rede interfreguesias» («TUB compram 30 autocarros elétricos por 15 milhões de euros», Luís Moreira, Jornal de Notícias, 15.04.2022, p. 21).

 

[Texto 16 166]

Léxico: «fomento»

Um pouco com os pés

 

      «A seguir, para o PCP, vem “o referendo em Lugansk e Donetsk (Donbass) organizado pelas autoridades locais cujo resultado foi [a] rejeição maioritária do Golpe de Estado [golpe de estado é como o PCP chama à queda do governo do presidente prórrusso Viktor Yanukovych, que fugiu da Ucrânia na sequência de meses de protestos e violência nas ruas, fuga à qual se seguiram eleições] e a afirmação dos direitos políticos e culturais da região”» («Os “15 mil mortos no Donbass” e outros factóides do PCP», Fernanda Câncio, Diário de Notícias, 12.04.2022, p. 11).

      Estive vai-não-vai para não ler, mas nunca me furto a refocilar-me nestas coisas quando tenho tempo. É um belo verbo, este refocilar. Havia de pensar-se que está relacionado com focinho, mas nada disso. Vem do latim tardio refocillāre, «reanimar», «reavivar», «revigorar», e, figurado, «alegrar», «recrear». De re-, muitas vezes, e fŏcīllāre, aplicar fomentos (coisa que não tens, Porto Editora), aquecer, dar vida. Por detrás, focus, «fogo». O  P.e Carmo Martins, lá no Céu, há-de gostar de me ver ocupado com estas coisas.

 

[Texto 16 165]

Léxico: «castanha | tulhinha»

Não as vejo onde devem estar

 

      «A doçaria associada à Páscoa conta ainda com as castanhas de Arouca e as tulhinhas de Oliveira de Azeméis (Santiago de Riba-Ul) e Vale de Cambra e a rabanadas poveiras típicas do Natal mas com cada vez mais procura nesta quadra pascal» («Sem mãos a medir para encher de doces mesa da Páscoa», Alfredo Teixeira, Jornal de Notícias, 16.04.2022, p. 21).

 

[Texto 16 164]

 

Nasce uma pessoa para ver isto

A uma só cor: da cor da noite

 

      «Nunca lhe aconteceu ter um evento ou uma festa e ficar horas a olhar para o guarda-roupa sem saber ao certo como combinar as cores? Pois bem, numa saída à noite em Nova Iorque, a cantora Lizzo não teve exitações e simplificou as “regras”... o monocromático é muito mais fácil!» («Lizzo. A uma só cor», Sónia Dias, «Vidas»/Correio da Manhã, 16-22.04.2022, p. 4). Mas, que querem?, eles é que são bons.

 

[Texto 16 163]

Léxico: «gripalizar»

Querem eles

 

     Podemos (não falo por mim) não a querer, mas eles querem: «“Los rebrotes de la variante ómicron no deberían ser gestionados como un brote de gripe”, advirtió ayer el jefe del grupo de expertos que lidera la estrategia china para contener la transmisión del covid, Liang Wannian» («China se niega a gripalizar los rebrotes de ómicron», La Voz de Galicia, 12.04.2022, p. 25).

 

[Texto 16 162]

Léxico: «vai-e-vem»

Correcto e aumentado

 

      Está bem, Porto Editora, mas — e se me apetecer optar por vai-e-vem, não posso? Foi mesmo o que escrevi, que «as caravanas, no seu constante vai-e-vem no deserto», etc. «Pois recusando a infeliz alternativa entre a adoração e o desprezo das leis; aceitando uma dialéctica constante entre o ordenamento jurídico-institucional e a vontade de o superar; mantendo o vai-e-vem, através de uma prática aberta exigente e realista» (Portugal Correcto e Aumentado, Manuel de Lucena. Lisboa: Iniciativas Editoriais, 1975, p. 45).

 

[Texto 16 161]

 

A importância da língua

Diz: Паляниця

 

      «Não tiveram tempo de responder, mas se lhes tivessem pedido, muito provavelmente teriam sido descobertos. Palianytsia é um tipo de pão branco típico da Ucrânia, mas em tempos de guerra a palavra ganhou uma nova utilidade. Serve agora para identificar os russos que se tentam fazer passar por ucranianos. “É incrível, eles não a conseguem dizer, alguns dizem plunytsya, que significa morango”, conta entre gargalhadas Serghiy, um polícia de serviço no posto de controlo à entrada de Mykolaiv» («“Morei sempre em Lisboa, mas gosto do Porto”», Rui Polónio, Jornal de Notícias, 13.04.2022, p. 21). Mas se até eu pronuncio a palavra sem dificuldade... Mau, mau. E a transcrição feita pelo repórter é capaz de ser um pouco enganadora, não? Morango é полуниця — polunýcja, polunytsya.

 

[Texto 16 160]