Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Léxico: «pastor-belga-malinois»

Senta, corre, salta

 

      «O Spark, outro pastor-belga-malinois em avaliação, permanece deitado a 15 metros de distância. Se o Harley se distrair com a presença do Spark significa que não é obediente e o binómio pode ser penalizado» («Cães vão a exame para ajudar seguranças privados», Sofia Cristino, Jornal de Notícias, 17.04.2022, p. 15). Ah, mas diz-lhes que se pronuncia «malinoá».

 

[Texto 16 172]

Léxico: «corta-circuito»

Salta de «corta-chefe» para «corta-fitas»

 

      «Pior do que a central de Zaporizhzhya, que os russos atacaram em 4 de março, mas que está dotada de corta-circuitos [coupe-circuits/circuit breakers] e de sistemas de segurança que limitariam o acidente» («Oração por Odessa», Bernard-Henri Lévy, tradução de Jorge Pereirinha Pires, «Revista E»/Expresso, 1.04.2022, p. 34).

 

[Texto 16 171]

Léxico: «antidislipidémico»

Só nas farmácias

 

      «Nas mulheres, sobretudo na fase inicial da pré-menopausa, a rarefação do cabelo é difusa (mais tarde concentra-se na zona mediana da cabeça). A queda de cabelo está muitas vezes relacionada com stress intenso, fadiga extrema, choque emocional, deficiências nutricionais, alterações hormonais, quimioterapia e/ou radioterapia, tratamentos com medicamentos antidepressivos, antidislipidémicos, hormonas da tiroide, ou anticoncecionais» («Cabelos felizes», Nadine Nogueira, farmacêutica, Revista Saúda, Março de 2022, p. 32).

 

[Texto 16 170]

Léxico: «desútil | desutilidade»

Sempre juntinhos

 

      «Nunca é desútil lembrar que...», comecei por dizer, mas a minha filha deu uma enorme gargalhada e desisti do intento. A ouvir-nos estava a neta do visconde ***, que permaneceu seraficamente calada. Abençoada. Noblesse oblige. Mas agora contigo, Porto Editora: se registas desutilidade (mas tens de acrescentar o sentido geral), não podes deixar de acolher desútil. Haja coerência.

 

[Texto 16 169]

 

Léxico: «desislamizar | desislamização»

Vão para a fila

 

      «Mas os analistas alertam que [Marine Le Pen] não abandonou as posições mais próximas de um regime autoritário, da aceitação da pena de morte até à “desislamização” da sociedade francesa» («Suavizar a imagem com uma campanha serena», Fernando Madaíl, «Domingo»/Correio da Manhã, 17-23.04.2022, p. 42).

      Não precisa de aspas, mas, claro, isto é de difícil compreensão para todos os que tiverem um QI inferior a 200. Entretanto, continuamos à espera de que a Porto Editora nos deixe descomunizar (já o faz em francês, allez!) e desrussificar.

 

[Texto 16 168]