Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Léxico: «neutralino»

Matéria escura

 

      «Esta dedução está ligada a dois pressupostos; as partículas de matéria escura não reagem às radiações eletromagnéticas e têm interação rara ou nula com a matéria visível. O que explica a inexistência de dispositivos que a detetem, e também as teses que dizem que é composta por WIMPS, axiões, neutralinos e outras partículas nunca confirmadas» («A ciência da escuridão», Hugo Séneca, Expresso, 20.05.2022, p. 19).

 

[Texto 16 419]

Léxico: «bocaciano»

Pois não admira

 

      «Essa lenta alteração vem explicar, nos Contos de Trancoso, o processo como a tradição bocaciana, embora presente, se dilui, por um lado, forçando ainda o caminho da história de exemplo, e, por outro, transformando-o numa teoria da sentença cristã (verifique-se o tratamento dado por Trancoso ao tema do naufrágio iminente) enquista numa nova arte de narrar» (Obscuros e Marginados: estudos de cultura portuguesa, João Palma-Ferreira. Lisboa: INCM, 1980, p. 45). Não o registas, Porto Editora, e por isso também não admira que depois tenha aqui tradutores a escreverem Boccaccio e boccacciano. Vieram juntar-se a Michelangelo, que se sentia só.

 

[Texto 16 418]

Léxico: «egineta | Eginetas»

«Gineta»? Não

 

      «Os Eginetas ocupam a ilha fronteiriça a Epidauro. Ao que se conta, no princípio nela não havia presença humana» (Pausânias. Descrição da Grécia. Livro II, Maria de Fátima Silva. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, p. 171). E recentemente, numa tradução, topei com os «mármores eginetas». Se tirarmos dos dicionários todas estas palavras, ler tornar-se-á cada vez mais difícil.

 

[Texto 16 416]

Léxico: «coextensão | coextensivo»

Num bilingue....

 

      «Deste modo, julgamos ter deixado claro que não entendemos o conceito de intelligentsia como coextensivo à categoria dos intelectuais em geral, mas antes o pensamos de uma forma muito próxima à do modelo da intelligentsia clássica tal como tem sido aplicado a outros países da Europa oitocentista em que determinadas condições estruturais – crise, ameaça de perda da independência nacional, ausência de desenvolvimento e isolamento dos estratos cultivados – favoreciam a afirmação de determinados grupos de intelectuais críticos que configuravam uma intelligentsia em luta pela mudança e proclamavam a libertação das classes oprimidas» (Intelectuais Portugueses na Primeira Metade de Oitocentos, Maria de Lourdes Lima dos Santos. Queluz de Baixo: Editorial Presença, 1988, p. 330). Até hoje, ninguém viu.

 

[Texto 16 415]

Léxico: «jurisromanístico | jusromanístico»

Ele estava lá

 

      Espera aí, Porto Editora... Tu nunca participaste em nenhuma edição dos Encontros Jurisromanísticos de Lisboa, pois não? Ah, eu sabia. Muita gente conhecida. Entre outros, o Três-Quartos, que, entretanto, deixou de morar aqui no prédio. Deixei-o cá numa sexta à noite, na segunda-feira nem rasto dele. Mas também, já eram demasiados professores universitários.

 

 

[Texto 16 414]