Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Léxico: «caminhabilidade»

É porque faz falta

 

      «Filipe Moura [professor e investigador do Centro de Investigação e Inovação em Engenharia Civil para a Sustentabilidade do Instituto Superior Técnico] explica que muitas vezes as pessoas têm resistência à mudança porque não conhecem as alternativas que existem nem fazem contas (“o carro, que está 95% do tempo parado e é utilizado em média com cerca de 25% da sua capacidade, costuma ser a segunda maior despesa a seguir aos impostos”), por causa do tempo de viagem ou porque a primeira e a última milha não estão bem pensadas (“as condições de caminhabilidade são péssimas, o conceito de park and ride não está bem pensado e dimensionado”)» («Pernas, para que te quero», Maria João Bourbon, «Revista E»/Expresso, 9.06.2022, p. 10).

 

[Texto 16 506]

Léxico: «rolaria»

Com que então, só forma verbal...

 

      «A associação diz ainda que a floresta de pinheiro-bravo está “em declínio acentuado”, e garante: “apesar da indústria de produção de ‘pellets’ alegar que apenas os resíduos florestais e industriais são usados como matéria-prima, existem evidências de que os maiores produtores de ‘pellets’ estão claramente dependentes de grandes volumes de rolaria ou secções do tronco de árvores, resultando numa pressão acrescida sobre a floresta”» («Indústria de pellets põe em causa floresta portuguesa. Zero pede fim de apoio público», Observador, 18.06.2022, 9h11).

 

[Texto 16 505]

Léxico: «centralista»

Funcionário, não partidário

 

      «“O centralista recebeu ordem da direção para às oito da manhã fechar o quartel e reencaminhar as chamadas para um civil. Recebeu depois uma chamada para um incêndio e o socorro foi negado quando estavam 14 bombeiros à porta”, conta Ricardo Silva, um dos 20 voluntários da corporação» («Falta de efetivos encerra quartel», Ana Isabel Fonseca, Correio da Manhã, 17.06.2022, p. 47). Também é a pessoa que atende numa central, ó Porto Editora e demais dicionários, e não apenas o partidário da centralização dos poderes públicos.

 

[Texto 16 504]

Léxico: «cropar | cropagem»

Nada de novo

 

      «Irritado com isto, um camarada de Cotrim na secção de fotografia da agência portuguesa de notícias, Miguel A. Lopes, pediu-lhe autorização para publicar na sua página no Facebook a fotografia tal e qual ela fora tirada: a cores e “sem crops” [enquadramento posterior ao momento em que é tirada]» («Marcelo beijou mesmo a barriga de uma grávida? História de uma foto», João Pedro Henriques, Diário de Notícias, 17.06.2022, 16h05). Deu origem, sobretudo usados no Brasil, aos derivados cropar e cropagem. Nada de novo: assim de repente, estou a lembrar-me do render, que nos rendeu renderizar e renderização.

 

[Texto 16 503]

Léxico: «alargador»

Comparando, então prefiro as tatuagens

 

      «A amostra não foi tão grande como gostaríamos, mas tínhamos malta de alargadores a enrolar charros no terraço, avós, o CEO de um banco, pessoas do Ministério da Cultura... [diz Martim Sousa Tavares em entrevista]» («“Tenho pena que os jovens encontrem tanta desconfiança”», Maria João Bourbon, «Revista E»/Expresso, 27.05.2022, p. 13). Não me parece que os dicionários possam continuar a dizer que alargador é somente «que ou o que alarga».

 

[Texto 16 502]