«Com certeza»

Sem certezas

 

 

      «É concerteza um exemplar de estimação, está assinado pelo próprio António Sérgio» (Jornada de África, Manuel Alegre. Lisboa: Visão/Dom Quixote, 2003, p. 49).

      É, sem sombra de dúvida, tal como de certeza, uma locução e não uma só palavra: com certeza. Só causa algum espanto que o erro passe pelo crivo de uma edição. Ora, Manuel Alegre nasceu em 1936, e a ortografia em que a obra foi escrita é de 1945, quando já se escrevia «com certeza». É assim que se lê na página 239 do Vocabulário da Língua Portuguesa, de F. Rebelo Gonçalves. Também causa espanto que o gramático Celso Cunha tenha escrito isto: «Com certeza [=provavelmente] ele virá.» Com certeza não significa, como leio num Boletim da Sociedade de Língua Portuguesa datado de 1965, «certamente, efectivamente, na verdade, coisa certa, convicta»? 

[Texto 897] 

Helder Guégués às 05:26 | comentar | favorito
Etiquetas: