Infinitivo

A lição dos mestres

 

 

      Aprendamos com os mestres: «As perdizes erguiam estrepitosos voos quando os atiradores faziam equilíbrios acrobáticos para se manter no cume dos fraguedos» («Perdão” in Contos e Novelas, vol. 1, João de Araújo Correia. Lisboa: INCM, 2007).

      A falta de tempo não explica tudo:

  1. «No entanto, recusarmos em absoluto deixarmo-nos maravilhar pode ser, no fundo, apenas outro tipo de tolice» (Uma Semana no Aeroporto – Um Diário de Heathrow, Alain de Botton. Tradução de Manuel Cabral e revisão de Tiago Albuquerque Marques. Alfragide: Publicações Dom Quixote, 2011, p. 17);
  2. «Nesse caso, como é estranho e aterrador o facto de levarmos para o céu a nossa fruta e os nossos vegetais, quando costumávamos sentarmo-nos mais humildemente aos pés da natureza, fazendo festivais em prol das colheitas e sacrificando animais, para garantirmos a contínua fecundidade da terra» (idem, ibidem, p. 93);
  3. «Por outro lado, enquanto nos esforçamos por nos mantermos civilizados sob as implacáveis luzes fluorescentes, poderemos lembrar-nos de uma das razões que nos levaram a viajar: garantirmos que estaremos mais bem equipados para resistir aos estados de espírito mundanos e zangados em que o quotidiano tantas vezes nos enreda» (idem, ibidem, p. 131).

 

[Texto 898]

Helder Guégués às 05:48 | comentar | favorito
Etiquetas: