«Guarnecer de alimentos»?

Desguarnecido

 

 

      «O mercado municipal de Cascais permanece no vale da Ribeira das Vinhas e, quem quer que já se tenha deslocado pelo centro da vila – no sentido da baía ou no caminho para as praias do Guincho – passou-lhe ao lado. A circulação automóvel às quartas e sábados de manhã processa-se, necessariamente, com maior intensidade, perante o acrescido movimento de quantos se procuram guarnecer de alimentos» («Antes & Agora. Usos saudáveis do passado preservados em Cascais», Luís Filipe Sebastião, Público, 15.01.2012, p. 36).

      Talvez de frutos, legumes e flores, como Arcimboldo. Não passam a redacção a limpo, dá nisto. Só os exércitos é que guarnecem — mas apenas de gente e munições — as praças, os quartéis, as fronteiras. Os submarinos também são guarnecidos, isto é, providos de tripulantes. Como também podemos guarnecer de livros uma biblioteca. Guarnecer, nesta acepção, é prover do necessário. O jornalista deveria ter escrito, por exemplo, «abastecer de alimentos».

 

 

[Texto 958]

Helder Guégués às 08:45 | favorito
Etiquetas: