A convidada anfitriã

Vá para bordo

 

 

      «Porque da fúria ao humor a distância é curta, já estão à venda em Itália T-shirts com a frase “Capitão, volte para bordo”, usando a frase do oficial da guarda-costeira [sic] que falou com Schettino depois do naufrágio» («Tripulação do navio tentou negar naufrágio», J. A. V., i, 21.01.2012, p. 11).

      Não, não, J. A. V., a frase não é essa. «Já circulam por Itália t-shirts onde se lê a frase “Vada a bordo, cazzo!”, o que, em versão suavizada quer dizer qualquer coisa como “Regresse a bordo, porra!” Ou seja, a cobardia do comandante Francesco Schettino já entrou no anedotário nacional» («Concordia. O comandante cobarde», Susana Almeida Ribeiro, «P2»/Público, 21.01.2012, p. 4). «Vá para bordo, caralho!» Veja aqui. O texto tem outros erros. «Ontem, [Domenica] Cemortan, anfitriã do cruzeiro, veio garantir em entrevista a um jornal moldavo que não é amante do capitão como foi sugerido.» Convidada do capitão — é anfitriã. E não é amante como foi sugerido — mas de outra forma, talvez. Enfim, assim se escreve nos nossos jornais. Cazzo.

 

 

[Texto 995]

Helder Guégués às 08:17 | favorito
Etiquetas: