Sobre «bullying»

Andam a bulir com a língua

 

 

      O economista brasileiro Roberto Macedo escreveu hoje no Estadão sobre esse anglicismo omnipresente que é bullying: «Pensando no referido comportamento, recordei-me de palavras que, quando criança, ouvia para descrevê-lo. Por exemplo, em casa, na escola e na rua alguém dizia “fulano buliu comigo”. Aí está o bullying, e nessa e noutras formas em dicionários da nossa língua.

      O meu (Houaiss) apresenta como significados de bulir: mexer com, tocar, causar incômodo ou apoquentar, produzir apreensão em, fazer caçoada, zombar e falar sobre, entre outros. E não consta como regionalismo. Neste caso, no Nordeste tem também o significado de tirar a virgindade. Acrescente-se que nas duas línguas as palavras começam da mesma forma, mas ignoro se têm etimologia comum.

      O mesmo dicionário tem também bulimento, o ato ou efeito de bulir, e bulidor, aquele que o pratica. Ou seja, temos palavras para designar tanto o sujeito (bully), como o verbo (to bully) e o ato decorrente (bullying). Acrescente-se que no desnecessário uso deste último anglicismo se fica só na referência ao ato, dificultando ou desnecessariamente estendendo textos, o que é feito não apenas corriqueiramente pela imprensa, mas também por gente importante» («‘Bullying’ é bulir com a língua portuguesa», Roberto Macedo, Estadão, 3.06.2011).

      Já tínhamos visto no Assim Mesmo que, no contexto, palavras como «perseguição» ou «intimidação» são adequadas para exprimir a mesma ideia.

 

[Texto 101]

Helder Guégués às 14:39 | comentar | favorito | partilhar
Etiquetas: