AOLP

Feitisos pzeudo-etimolojicos

 

 

      «Como muitos outros autores antes dele, sonhou com uma língua universal. No final dos anos 1950, publicou PAKGrafia Abreviada Kosmos, unificando e simplificando a ortografia luso-brasileira, mas que depois desenvolveu, visando a criação de um idioma universal, na linha do esperanto. Se ainda fosse vivo, provavelmente não defenderia o actual Acordo Ortográfico (AO), mas por o considerar demasiado conservador. Em PAK, propõe uma “grafia sem luxo nem lixo”, e o próprio livro é redigido na ortografia que concebeu. Numa antecipação, em versão radical, das críticas que hoje são feitas aos adversários do AO, escreve: “Quem n’ gostar disto p’ q’ n’ regressar ao ph, i grego, ao K i ao W? ainda avera abenseragens apaixonados deses ‘feitisos pzeudo-etimolojicos’.”» («Paulo de Cantos: a redescoberta de um gráfico de vanguarda», Luís Miguel Queirós, Público, 29.03.2012, p. 27).

 

[Texto 1286]

Helder Guégués às 00:54 | comentar | favorito
Etiquetas: