Sobre «cante»

Ora, não se percebe

 

 

      «A reunião no MNE foi acompanhada no exterior do Palácio das Necessidades pela actuação de meio milhar de cantadores alentejanos. Entre os temas interpretados, ouviu-se Grândola, Vila Morena. Antes, numa conferência de imprensa na Casa do Alentejo em Lisboa, a comissão executiva lamentou a decisão do embaixador António de Almeida Ribeiro de adiar a entrega da candidatura, alegadamente por ela ter sido questionada por alguns dos membros da comissão científica que colaborou na sua elaboração. Na sessão, o actor alentejano Nicolau Breyner deu voz à “indignação” dos seus conterrâneos: “A candidatura está pronta, tem qualidade inquestionável e é tecnicamente inatacável.”» («Cante alentejano insiste na candidatura», Sérgio C. Andrade, Público, 29.03.2012, p. 27).

      O vocábulo, de que cheguei a tratar no Assim Mesmo duas vezes (numa delas referi que o revisor antibrasileiro o desconhecia), continua a não estar registado nos dicionários. E agora sobre a substância da notícia: é já a segunda vez que leio ou ouço, escrito ou dito por não especialistas, que esta candidatura é tecnicamente inatacável. Se não são especialistas que o dizem, não estarão apenas a repetir o que ouvem? Donde lhes vem a autoridade para darem estas opiniões?

 

[Texto 1288]

Helder Guégués às 00:56 | favorito
Etiquetas: