Homonímia

Azar

 

 

      «Muitos franceses chamados Mohamed Merah estão a ser alvo de insultos e ameaças. Devido à circunstância de os nomes árabes terem mais homónimos do que é habitual na tradição europeia, há centenas de pessoas com o mesmo nome que o terrorista que atacou em Toulouse. A AFP conta a história de um pugilista de 24 anos, muito promissor, mas que tem o azar de se chamar Mohamed Merah. O atleta enchia salas com mil espetadores, conta o seu treinador. Agora, tal como aconteceu a muito [sic] outros franceses, Merah, o inofensivo boxeur, foi alvo de ameaças de morte» («O azar de se chamar Mohamed Merah», Luís Naves, Diário de Notícias, 28.03.2012, p. 25).

      Também Apolónio, se se lembram, fala da homonímia com nomes próprios, que exemplifica com nomes a que se acrescentaram os epitéticos: Dião, o filósofo. Em meios pequenos, vilas, aldeias, é que é motivo de constrangimentos e incómodos.

 

[Texto 1290]

Helder Guégués às 08:14 | favorito
Etiquetas: