Como se escreve nos jornais

É preciso paciência

 

 

      «Os solavancos colocam à prova a perícia dos condutores. E a centenas de metrosde [sic] distância a unidade móvel é imediatamente reconhecida por aqueles a quem vai prestar apoio devido às suas cores vivas» («Uma luta diária para exorcizar o apelo suicidário nos velhos de Odemira», Carlos Dias, Público, 1.04.2012, p. 32).

      «Colocam à prova»! Ainda se isso fosse o pior do artigo. Começa pelo título: «suicida» já não chega para as necessidades, tem de se recorrer a «suicidário». E a pontuação? E as gralhas? Fica uma amostra:

1. «O mais novo, Manuel E., dirige-se bem humorado à equipa médica, desta vez acompanhada pelos dois psiquiatras e eplso [sic] PÚBLICO, enquanto remenda um velho cinto de couro.»

2. «O único contacto que os dois irmãos mantêm com o exterior, faz-se por telemóvel.»

3. “Se desviamos um palmo já não temos”, informa o irmão mais velho Olímpio E..»

4. «Álvaro de Carvalho, tenta confortá-lo, mas o homem insiste: ”Tenho cá uma coisa dentro da cabeça que não me deixa dormir, nem comer. Tomo comprimidos mas dói sempre.”»

5. «Deixou de trabalhar para tomar conta do pai. Está preocupado, porque acabou a medicação e tem medo de uma recaída. Conceição Quintas, descansa-o.»

6. «“Atão senhor Manel como vai isso hoje?”, pergunta a enfermeira Mónica Raimundo, que faz a muda de pensos, mede a tensão e verifica a medicação.»

7. «Uma constante observada entre os idosos isolados, realça a coordenadora da UMS, é “a ausência de capacidade reivindicativa, habituados que foram a ter pouco”. A primeira surpresa surge “quando se lhes dizque [sic] têm os direitos de toda a gente”, mas “recusam-se a pedinchar, não querem vistos como coitadinhos, têm a sua dignidade”.»

 

[Texto 1299]

Helder Guégués às 12:46 | comentar | favorito
Etiquetas: