Interjeições: oh/ó

Oh man...

 

 

      Aqui numa tradução, há muitos «oh man», que o tradutor verteu de uma forma que nem sempre é a correcta. As interjeições oh e ó são, muitas vezes, entendidas como idênticas, exprimindo o mesmo. Depois de verem alguns exemplos, digam-me se acham que é tudo igual.

      1. «— Que foi?! Olha o morcão! Vê lá! Que me conste, isto inda não chegou à ditadura! Ele julga que já chegámos ao Iraque, ou quê?! Ó pá, eu estava aqui sossegadinha na minha vida, que caraças!» (Escrito na Parede, Ana Saldanha. Lisboa: Editorial Caminho, 2005, p. 45).

      2. «— Ela é sempre assim — diz o Rui. — Ó pá, não vens jogar? Já metemos as ovelhas todas no curral. Agora temos de ajudar o Gigante a atirar penedos para o mar» (Nem Pato, nem Cisne, Ana Saldanha. Lisboa: Editorial Caminho, 2.ª ed., 2003, p. 43).

      3. «Pá, oh pá, estava eu com a bandeja em frente da copa e vieram dizer. Pá. Porra que vais ser um gajo de sorte. Com tanta coisa a dar-se, vais ver que te escapas de lá ir, pá» (O Cais das Merendas, Lídia Jorge. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 6.ª ed., 2002, p. 71).

      4. «E ele disse: “Não vais nada porque eu não deixo. Oh pá, eu sou teu superior hierárquico”» (Fotomontagem, Artur Portela. Lisboa: Edições António Ramos, 1978, p. 127).

      5. «D. Diogo, com os seus olhos muito azuis, sempre a sorrir, mesmo quando se zangava, perguntou com a voz sumida que tinha, como se viesse de fora para dentro: Ó pá, o cachimbo? Essa agora, respondeu o meu pai, que é que tem o cachimbo? Os outros olhavam, suspensos. Então o meu pai desconfiou: Que é que há? Nunca me viram fumar? E lá se decidiu. Quando acendeu o forno, o cachimbo disparou a rabiar [sic] que nem um foguete. Foi um pagode» (Alma, Manuel Alegre. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 10.ª ed., 2004, pp. 9192).

 

[Texto 133]

Helder Guégués às 08:19 | comentar | favorito
Etiquetas: